11/10/2010 - 10h10min - Atualizado em 11/10/2010 - 10h10min

Advogado que falsificou assinatura em cheque e ficou com dinheiro dos clientes é condenado

Advogado ficou com dinheiro da indenização de casal que perdeu o filho atropelado. Ele advogou para o causador do acidente e registrou queixa contra as vítimas acusando-as de extorsão.

Da reportagem do TUDORONDONIA

Porto Velho, Rondônia - A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Rondônia manteve a condenação do advogado Reginaldo Ferreira Lima, acusado pelo Ministério Público Estadual de se apropriar de dinheiro pertencente aos clientes.

Segundo a decisão do TJ, “resta caracterizada a apropriação indébita majorada quando o agente, na qualidade de advogado da vítima, recebe quantia a ela pertencente, decorrente do sucesso em ação de indenização de seguro DPVAT, e deixa de repassá-la integralmente ao ofendido, retendo parte dos valores, denotando o dolo direto e pré-ordenado de tornar injusta a posse precária sobre o bem”.

O Tribunal entendeu também que “configura o delito de falsidade ideológica a inserção de falsa assinatura no verso de cheques nominais às vítimas, forjando assim o ‘endosso’ a fim de sacar os numerários descritos nas cártulas”.

ENTENDA O CASO
Reginaldo Ferreira Lima ingressou com recurso de apelação visando a reforma da sentença proferida pelo 2ª Vara Criminal da comarca de Guajará-Mirim/RO, que o condenou às penas de um ano e quatro meses de reclusão e 13 dias-multa pelo delito de apropriação indébita qualificada em razão da sua profissão de advogado, e mais um ano e dez dias-multas pelo delito de falsidade ideológica, perfazendo o total de dois anos de reclusão em regime aberto e 20 dias-multas, fixados à base de ¼ do salário mínimo vigente à época dos fatos.

A pena privativa de liberdade foi substituída por duas restritivas de direitos, quais sejam, na prestação de serviço à comunidade em entidade a ser especificada pelo Juízo da Execução e na prestação pecuniária, consistente no pagamento de R$2.000,00 às vítimas.

O advogado pediu sua absolvição ao argumento de que “não concorreu para a infração penal, e que não há provas suficientes para sua condenação”.

FALSIFICAÇÃO

De acordo com o Ministério Público, em meados de 2004, na cidade de Nova Mamoré/RO, o Reginaldo Ferreira de Lima, na qualidade de advogado, falsificou dois cheques, emitidos nominalmente às vítimas Ivanilda Ramos e Francisco Vieira, seus clientes , que haviam recebido os valores a título de pagamento de indenização de seguro, concedido judicialmente, tendo o advogado contrafeito a assinatura das vítimas no verso das cártulas (falso endosso), conseguindo com esse expediente sacar os respectivos valores, dos quais se apropriou em parte.

Segundo consta, à época dos fatos Reginaldo Ferreira de Lima foi contratado pelo casal/vítima para ajuizar ação civil de cunho condenatório, visando ao recebimento do seguro DPVAT que, em tese, lhes era devido em virtude da morte do filho Francelino Almeida da Silva, vítima de atropelamento.

ADVOGOU DO CAUSADOR DO ACIDENTEContudo, como Reginaldo já estava advogando para o motorista causador do desastre, a demanda foi de fato patrocinada por outros advogados, mas sob a sua orientação.

Após o ganho de causa reconhecido por sentença definitiva, o pagamento da indenização foi finalmente realizado por intermédio de dois cheques nominais às vítimas/pais do falecido, e apesar de sequer representá-los formalmente, o réu ficou responsável de repassar-lhes os cheques no valor da indenização, mas em vez disso forjou endossos em branco. Agindo assim, o advogado praticou o crime de falsidade ideológica.

Ainda conforme o MP, tendo Reginaldo forjado a assinatura das vítimas no verso das cártulas (falso endosso), conseguiu, com esse expediente, em data incerta no ano de 2005, sacar os valores ali encartados, apropriando-se da quantia de R$8.500,00 de que tinha posse, em razão da sua profissão, incorrendo assim, no delito de apropriação indébita qualificada.

Relator do recurso de apelação do advogado no TJ, o juiz convocado Valdecir Castelar Citon anotou: “ não merece prosperar a pretensão do apelante, tendo em vista que o acervo probatório dos autos demonstra de forma robusta a sua responsabilidade pelos crimes que lhe foram imputados”.

Para o juiz, “ observa-se que a materialidade delitiva encontra-se suficientemente comprovada pelas cópias dos cheques nominais às vítimas , pelos extratos bancários, recibos e contrato de honorários , pelo recibo de pagamento, em que as vítimas ludibriadas deram quitação dos valores de indenização pela cópia do cheque de indenização do seguro no valor de R$28.000,00 , documento de procuração judicial conferido pelas vítimas ao réu , documento de substalecimento do réu a outros advogados , documentos do veículo negociado com as vítimas , documento da motocicleta das vítimas, o qual entrou na negociação do veículo, cópia de cheque no valor de R$6.000,00 e pelas provas testemunhais apuradas”.

PAPEL DE VÍTIMA“De igual forma, a autoria também restou perfeitamente evidenciada, pois o contexto probatório demonstrou que o apelante, na qualidade de advogado das vítimas Ivanilda Ramos e Francisco Vieira, falsificou o endosso de dois cheques emitidos nominalmente a estas a título de pagamento de indenização de seguro DPVAT, contrafazendo as assinaturas de ambas no verso das cártulas, conseguindo assim sacar os respectivos valores dos quais se apropriou em parte”. anota o magistrado em sua decisão que denegou o recurso impetrado pelo advogado.

Segundo o juiz Valdecir Castelar Citon, “as vítimas, ludibriadas, ainda foram persuadidas a dar quitação dos valores indenizatórios, como se tivessem vendido tal direito ao réu, conforme recibo.Na fase policial, o apelante ainda tentou colocar-se na situação de vítima, ao registrar uma ocorrência policial contra seus clientes, acusando-os de extorsão, quando na verdade as vítimas se queixavam pelo não recebimento do valor complementar da indenização que tinham direito”.

comentários
publicidade

COMENTÁRIOS


Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2016 ás 12:35:00

Cultura da sentença dificulta métodos de mediação no País, diz especialista

Em preparação para a I Jornada sobre Prevenção e Solução Extrajudicial de Litígios, o professor Kazuo Watanabe afirmou que o País ainda utiliza pouco os métodos de solução fora do Judiciário devido a uma “cultura da sentença”...

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2016 ás 12:30:00

Turma mantém acordo entre concessionária e ex-diretor assistido por advogado

Os ministros mantiveram o entendimento regional de que não houve prejuízo ao empregado.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2016 ás 12:26:00

Norma coletiva da Itambé que exclui a PLR para quem pede demissão é inválida

A Turma restabeleceu sentença que considerou inválida a norma coletiva que excluía o pagamento da parcela a empregados que pedissem rescisão contratual antes da data da distribuição dos lucros.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2016 ás 12:07:00

Solução premiada potencializa uso do PJe em dispositivos móveis

Com o PJe Mobile, nome dado ao projeto, os usuários do sistema poderão utilizar em dispositivos móveis funcionalidades do PJe antes disponíveis apenas com o uso de certificação digital, em desktops e laptops.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2016 ás 12:02:00

Sistema de Justiça une esforços contra o trabalho infantil

Como a maioria absoluta delas (2,8 milhões de meninos e meninas) trabalha de maneira informal, o Estado tem dificuldade em fiscalizar e coibir a prática.

POLíTICA | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:54:00

MP, TRE e OAB lançam nesta segunda-feira a campanha Votar é Legal

A campanha “Votar é Legal, que terá como público-alvo os alunos do ensino médio de escolas públicas e privadas com o objetivo mostrar importância do voto consciente, além de ressaltar a necessidade do combate à corrupção.

GERAL | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:40:00

2ª Portoagro apresenta programação técnica e cultural nesta segunda-feira(25)

A feira pretende transformar Porto Velho na capital do agronegócio e apresentar todas as potencialidades da região.

GERAL | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:36:00

Comitê Gestor do TRT14 analisa proposta orçamentária de 2017

A proposta orçamentária para 2017 da Justiça do Trabalho nos estados de Rondônia e Acre foi pauta de reunião com a participação do Comitê Gestor Regional de 1º e 2º Graus do TRT.

POLíCIA | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:29:00

Pela 2ª vez, homem volta para a cadeia após descumprir medidas judiciais e tentar comprar vítimas

Os mandados foram expedidos em razão de suspeitas concretas de fraude processual praticada pelos investigados em ação penal que tramita na Vara Criminal de Ouro Preto do Oeste.

GERAL | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:29:00

Mais de 1,5 mil cavaleiros abrem oficialmente a Expoari

Com a participação expressiva de várias comitivas, a Associação dos Pecuaristas de Ariquemes, organizadora da Expoari, contabiliza recorde de público na cavalgada de abertura da festa.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:23:00

#ÉdeLei, por Andrey Cavalcante

“Quem trabalha pelos direitos dos outros precisa ter os seus direitos respeitados”.

POLíTICA | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:25:00

Vilhena: PSDB indica e vereadora confirma ter aceitado ser candidata a vice de Japonês

Postulante do PV terá que decidir se aceita indicação.

POLíCIA | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:21:00

Encapuzado que deu entrevista dizendo ser do “Comando Vermelho” é preso em Vilhena

Segundo a polícia, Rapazes iriam explodir caixas eletrônicos em Cerejeiras.

GERAL | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:17:00

Incra/RO repassa R$ 2,5 milhões a convênio com governo estadual

A autarquia federal efetuou o pagamento por meio do convênio 795.040/2013, restando quitar R$ 6.217.800 ao governo estadual até o fim do contrato.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2016 ás 11:15:00

Justiça mantém mandado de prisão contra mulher investigada na Operação Cardeal

Foragida investigada pela Polícia Federal, na Operação Cardeal, deflagrada no mês julho de 2015, teve os pedidos de revogação da prisão, assim como do contramandado da prisão negados pela 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2012 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com