Enchentes em Rondônia: Governo vai decretar estado de calamidade pública

De acordo com o comandante geral do Corpo de Bombeiros, toda ajuda por terra, água e ar será necessária e bem-vinda.

Publicada em 13 de February de 2014 às 12:34:00

Embora não estivesse presente à reunião realizada no final da tarde de quarta-feira (12), no auditório do Palácio Presidente Vargas, o governador Confúcio Moura orientou aos secretários e demais técnicos convocados para o encontro que o objetivo é encontrar meios de prestar ajuda a quem necessita.

São seis municípios atingidos pelas águas do Rio Madeira e que precisam do trabalho do estado, dos municípios e da União. A situação está mais grave em Porto Velho, que já contava, no momento da reunião, com mais de 70 famílias entre desalojados e desabrigados e em Guajará Mirim, com o acesso interditado na BR 425, rodovia estadual com status de federalizada devido a área fronteiriça, com possibilidade de desabastecimento da cidade e região.

Estiveram na reunião representantes de diversos órgãos do Estado, incluindo Polícia e Bombeiro Militar, Prefeitura, Exército, Marinha e Aeronáutica, representantes das empresas Santo Antonio Energia, Energia Sustentável do Brasil – Jirau e Polícia Rodoviária Federal. O secretário chefe da Casa Civil, Marco Antonio de Faria, encarregado de conduzir o encontro, defendeu a necessidade de união entre todos os participantes para o enfrentamento de uma das maiores cheias no Estado, afirmando que tudo será feito para que não se perca nenhuma vida. Após a reunião, Marco Antonio convidou alguns participantes para contribuírem na elaboração do documento decretando o estado de calamidade no Estado.

De acordo com o comandante geral do Corpo de Bombeiros, toda ajuda por terra, água e ar será necessária e bem-vinda. O Coronel Ubirajara Caetano declarou que seis municípios foram atingidos pelas cheias, como Rolim de Moura e Santa Luzia do Oeste, que já obtiveram ajuda federal. Além de Rio Crespo, Nova Mamoré, Guajará Mirim e Porto Velho, nos dois últimos a situação tende a se agravar mais, especialmente com a previsão meteorológica, que prevê uma elevação no volume de águas do Madeira que chegará a mais de 18 metros, até o dia 20 de fevereiro, colocando todas as autoridades em grande tensão até lá. Segundo ele, diariamente serão divulgados boletins para dar conhecimento à população de tudo que está acontecendo e das soluções postas em prática. “Nossa preocupação maior é com a vida das pessoas”, destacou, acrescentando que são mais de 200 profissionais envolvidos em todo o processo. Ainda nesta semana a Superintendência de Gestão e Gastos poderá dispor de um telefone de utilidade pública, 0800 para receber chamadas relacionadas aos danos causados e às vítimas da enchente.

Texto: Alice Leyla