19/10/2012 - 03h25min - Atualizado em 19/10/2012 - 03h25min

Partilha de bens na dissolução de união estável após a Lei 9.278 dispensa prova de esforço comum

A mulher ajuizou a ação de dissolução de sociedade de fato contra o ex-companheiro, com quem manteve união estável de 1986 a 1997.

A partir da vigência da Lei 9.278/96, os bens adquiridos a título oneroso na constância da união estável, individualmente ou em nome do casal, pertencem a ambos, dispensada a prova de que sua aquisição decorreu do esforço comum dos companheiros. Com esse entendimento, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) não acolheu o recurso de ex-companheira, que pretendia ver partilhados somente os bens adquiridos em nome de ambos e não todos os bens acrescentados ao patrimônio durante a constância da união.

A mulher ajuizou a ação de dissolução de sociedade de fato contra o ex-companheiro, com quem manteve união estável de 1986 a 1997. Ele não apresentou contestação e foi decretada sua revelia. Somente em alegações finais, sustentou cerceamento de defesa e pediu o reconhecimento de seu direito à meação de todos os bens que teriam sido adquiridos na constância da união estável.

O juízo de primeiro grau decretou o fim da união estável com a partilha de todos os bens adquiridos durante a vigência da união estável, com base na Lei 9.278. Interposta apelação pela mulher, o Tribunal de Justiça de Pernambuco manteve a sentença. “Separação ocorrida após a vigência da Lei 9.278, devendo ser partilhados os bens pelos companheiros. Sentença que merece subsistir”, decidiu o TJ.

Fora do pedido
No recurso especial ao STJ, a mulher afirmou que as instâncias ordinárias não poderiam ter determinado a partilha de todos os bens adquiridos durante a união, pois essa decisão teria extrapolado o pedido feito na ação, que se limitava à dissolução da sociedade com partilha dos bens adquiridos exclusivamente em nome de ambos.


“Se o recorrido [ex-companheiro] pretendesse a partilha dos demais bens de propriedade da recorrente [ex-companheira], deveria ter contestado. Como não o fez, só lhe restaria então entrar com ação própria, com pedido específico de partilha dos bens que não foram colacionados, uma vez que não foram objeto da presente ação”, disse a defesa da mulher.

A ex-companheira alegou ainda que o ato jurídico cuja dissolução se buscou por meio da ação – a constituição da sociedade de fato – se deu em 24 de dezembro de 1986, e que a legislação aplicável deveria ser aquela vigente à época.

Em seu voto, o relator, ministro Villas Bôas Cueva, destacou que às uniões estáveis dissolvidas após a publicação da Lei 9.278, ocorrida em 13 de maio de 1996, aplicam-se as suas disposições, conforme já pacificado pelo STJ. No caso, a dissolução ocorreu em março de 1997.

“Os bens adquiridos a título oneroso enquanto perdurar a união estável, individualmente ou em nome do casal, a partir da vigência da Lei 9.278, pertencem a ambos, excepcionado o direito de disporem de modo diverso em contrato escrito, ou se a aquisição ocorrer com o produto de bens adquiridos em período anterior ao início da união”, afirmou o ministro.

Consequência natural
Sobre a alegação de que a decisão contestada teria extrapolado os limites da ação, o ministro assinalou que a meação é consequência natural do pedido de dissolução da união estável, motivo pelo qual o julgador não fica adstrito ao pedido de partilha dos bens relacionados na petição inicial da demanda.

Segundo o relator, mesmo havendo a revelia da outra parte, a autora da ação não demonstrou a ocorrência das hipóteses legais que poderiam afastar a presunção de condomínio sobre o patrimônio adquirido exclusivamente em seu nome. Com base em precedentes do STJ, o ministro disse que a Lei 9.278, ao contrário do regime legal anterior, “não exige prova de que a aquisição dos bens decorreu do esforço comum de ambos os companheiros para fins de partilha”.

STJ

Leia também:

comentários

COMENTÁRIOS


publicidade
RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/08/2014 ás 13:33:00

Escola da Magistratura do Estado de Rondônia completa 28 anos

Com a criação do Estado de Rondônia pela Lei nº 41, de 22 de dezembro de 1981, criou-se também o Poder Judiciário, que se instalou no dia 4 de janeiro de 1982.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/08/2014 ás 13:25:00

Justiça: Pesquisador de universidade Italiana ministra curso em Rondônia

Destacado sociólogo e filósofo, o professor Raffaele colaborou com as pesquisas de Niklas Luhmann e foi amigo pessoal do sociólogo alemão, tendo diversas pesquisas reconhecidas internacionalmente.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/08/2014 ás 11:51:00

TRT 14 participa de Fórum de Gestão Estratégica do TRT-PE

O Presidente falou, ainda, sobre a manualização dos procedimentos administrativos, a implantação do sistema de Processo Administrativo Eletrônico.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/08/2014 ás 10:40:00

Condenado por improbidade, ex-secretário municipal perde prazo de recurso

Jair Ramíres, denunciado pelo Ministério Público de Rondônia, foi condenado pelo juízo da 2ª Vara da Fazenda Pública de porto Velho por fraude ao erário municipal e enriquecimento ilícito.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/08/2014 ás 10:11:00

Enunciados definem norte para ações e decisões de juízes na aplicação de alternativas penais

A ratificação da delimitação de papéis dos poderes Executivo e Judiciário na implantação das centrais de execuções de alternativas penais também foi aprovada em enunciado.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/08/2014 ás 08:49:00

Vereador consegue escapar temporariamente da perda do mandato

Segundo o MP, o vereador e a irmã, ex-prefeita, mantiham uma fundação assistencialista com dinheiro público que era utilizada para a promoção pessoal e política da dupla.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/08/2014 ás 08:13:00

Mais de 400 audiências realizadas pela Justiça Rápida na Ponta do Abunã

Já foram atendidos os distritos de Nova Califórnia (13/08) e Extrema (14 e 15/08).

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 18/08/2014 ás 13:39:00

Quantidade de droga justifica pena por tráfico acima do mínimo legal

A defesa pediu a redução da pena-base ao mínimo legal, argumentando que ela não poderia ser majorada somente com fundamento na quantidade ou no tipo da droga apreendida.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 18/08/2014 ás 12:40:00

Primeira Seção aprova novas súmulas sobre FGTS e execução fiscal

A primeira trata da obrigação da Caixa Econômica Federal (CEF) de fornecer aos trabalhadores os extratos das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 18/08/2014 ás 10:30:00

PJe chegará à Turma Recursal e Juizados Especiais Cíveis da capital em setembro

A Portaria 11/2014, que estabelece as próximas datas de implantação, foi publicada no Diário da Justiça (149/2014), conforme decisão tomada em reunião do Comitê Gestor.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2012 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com