19/10/2012 - 03h25min - Atualizado em 19/10/2012 - 03h25min

Partilha de bens na dissolução de união estável após a Lei 9.278 dispensa prova de esforço comum

A mulher ajuizou a ação de dissolução de sociedade de fato contra o ex-companheiro, com quem manteve união estável de 1986 a 1997.

A partir da vigência da Lei 9.278/96, os bens adquiridos a título oneroso na constância da união estável, individualmente ou em nome do casal, pertencem a ambos, dispensada a prova de que sua aquisição decorreu do esforço comum dos companheiros. Com esse entendimento, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) não acolheu o recurso de ex-companheira, que pretendia ver partilhados somente os bens adquiridos em nome de ambos e não todos os bens acrescentados ao patrimônio durante a constância da união.

A mulher ajuizou a ação de dissolução de sociedade de fato contra o ex-companheiro, com quem manteve união estável de 1986 a 1997. Ele não apresentou contestação e foi decretada sua revelia. Somente em alegações finais, sustentou cerceamento de defesa e pediu o reconhecimento de seu direito à meação de todos os bens que teriam sido adquiridos na constância da união estável.

O juízo de primeiro grau decretou o fim da união estável com a partilha de todos os bens adquiridos durante a vigência da união estável, com base na Lei 9.278. Interposta apelação pela mulher, o Tribunal de Justiça de Pernambuco manteve a sentença. “Separação ocorrida após a vigência da Lei 9.278, devendo ser partilhados os bens pelos companheiros. Sentença que merece subsistir”, decidiu o TJ.

Fora do pedido
No recurso especial ao STJ, a mulher afirmou que as instâncias ordinárias não poderiam ter determinado a partilha de todos os bens adquiridos durante a união, pois essa decisão teria extrapolado o pedido feito na ação, que se limitava à dissolução da sociedade com partilha dos bens adquiridos exclusivamente em nome de ambos.


“Se o recorrido [ex-companheiro] pretendesse a partilha dos demais bens de propriedade da recorrente [ex-companheira], deveria ter contestado. Como não o fez, só lhe restaria então entrar com ação própria, com pedido específico de partilha dos bens que não foram colacionados, uma vez que não foram objeto da presente ação”, disse a defesa da mulher.

A ex-companheira alegou ainda que o ato jurídico cuja dissolução se buscou por meio da ação – a constituição da sociedade de fato – se deu em 24 de dezembro de 1986, e que a legislação aplicável deveria ser aquela vigente à época.

Em seu voto, o relator, ministro Villas Bôas Cueva, destacou que às uniões estáveis dissolvidas após a publicação da Lei 9.278, ocorrida em 13 de maio de 1996, aplicam-se as suas disposições, conforme já pacificado pelo STJ. No caso, a dissolução ocorreu em março de 1997.

“Os bens adquiridos a título oneroso enquanto perdurar a união estável, individualmente ou em nome do casal, a partir da vigência da Lei 9.278, pertencem a ambos, excepcionado o direito de disporem de modo diverso em contrato escrito, ou se a aquisição ocorrer com o produto de bens adquiridos em período anterior ao início da união”, afirmou o ministro.

Consequência natural
Sobre a alegação de que a decisão contestada teria extrapolado os limites da ação, o ministro assinalou que a meação é consequência natural do pedido de dissolução da união estável, motivo pelo qual o julgador não fica adstrito ao pedido de partilha dos bens relacionados na petição inicial da demanda.

Segundo o relator, mesmo havendo a revelia da outra parte, a autora da ação não demonstrou a ocorrência das hipóteses legais que poderiam afastar a presunção de condomínio sobre o patrimônio adquirido exclusivamente em seu nome. Com base em precedentes do STJ, o ministro disse que a Lei 9.278, ao contrário do regime legal anterior, “não exige prova de que a aquisição dos bens decorreu do esforço comum de ambos os companheiros para fins de partilha”.

STJ

Leia também:

comentários

COMENTÁRIOS


Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 14:52:00

Exames da Ordem

Por Andrey Cavalcante

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 07:34:00

Condenado por latrocínio terá de cumprir 21 anos de reclusão

Bandidos mataram para roubar.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 06:45:00

Ex-deputado consegue suspender, temporariamente, penhora da Fazenda Três Capelas

Penhora do hotel fazenda foi determinada pelo juízo da 2a Vara da Fazenda Pública de Porto Velho como forma de ressarcir o erário dos prejuízos causados no esquema das passagens aéreas na Assembleia Legislativa.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 06:16:00

“Paz em Casa” será o mote para o Mês da Mulher no Poder Judiciário de RO

Várias atividades ao longo do mês de março propõem reflexão sobre o dia internacional da mulher.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 05:55:00

Mantida condenação de 12 anos a padrasto acusado de abusar enteada

No dia 6 de abril de 2014, aproveitando-se da ausência de sua mulher, foi ao quarto da enteada com apenas 12 anos de idade e praticou atos libidinosos com a vítima.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 05:54:00

Correições atestam diminuição na taxa de congestionamento dos processos judiciais

Os dados apurados pela Corregedoria são positivos na maioria das comarcas.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 04:33:00

Operadora de telemarketing que tinha cinco minutos para ir ao banheiro será indenizada

O processo foi ajuizado contra a A&C Centro de Contatos S.A., que concedia a autorização de "pausa banheiro" de no máximo cinco minutos.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 04:28:00

Apadrinhamento afetivo de crianças e adolescentes: entenda como funciona

As crianças aptas a serem apadrinhadas têm, quase sempre, mais de dez anos, e, portanto, chances remotas de adoção.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 04:26:00

Jornalista contratado como ghost writer não é reconhecido como autor do livro de Bruna Surfistinha

Tarquini ajuizou ação contra Raquel Pacheco Machado de Araújo, a Bruna Surfistinha, e contra a Editora Original, que publicou o livro.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 27/02/2015 ás 04:24:00

Servidor nomeado por decisão judicial não tem direito a indenização, decide STF

A decisão foi tomada no Recurso Extraordinário (RE) 724347, com repercussão geral, no qual a União questiona decisão da Justiça Federal que garantiu a indenização a um grupo de dez auditores-fiscais do Tesouro que participaram de concurso realizado em 199

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2012 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com