19/10/2012 - 03h25min - Atualizado em 19/10/2012 - 03h25min

Partilha de bens na dissolução de união estável após a Lei 9.278 dispensa prova de esforço comum

A mulher ajuizou a ação de dissolução de sociedade de fato contra o ex-companheiro, com quem manteve união estável de 1986 a 1997.

A partir da vigência da Lei 9.278/96, os bens adquiridos a título oneroso na constância da união estável, individualmente ou em nome do casal, pertencem a ambos, dispensada a prova de que sua aquisição decorreu do esforço comum dos companheiros. Com esse entendimento, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) não acolheu o recurso de ex-companheira, que pretendia ver partilhados somente os bens adquiridos em nome de ambos e não todos os bens acrescentados ao patrimônio durante a constância da união.

A mulher ajuizou a ação de dissolução de sociedade de fato contra o ex-companheiro, com quem manteve união estável de 1986 a 1997. Ele não apresentou contestação e foi decretada sua revelia. Somente em alegações finais, sustentou cerceamento de defesa e pediu o reconhecimento de seu direito à meação de todos os bens que teriam sido adquiridos na constância da união estável.

O juízo de primeiro grau decretou o fim da união estável com a partilha de todos os bens adquiridos durante a vigência da união estável, com base na Lei 9.278. Interposta apelação pela mulher, o Tribunal de Justiça de Pernambuco manteve a sentença. “Separação ocorrida após a vigência da Lei 9.278, devendo ser partilhados os bens pelos companheiros. Sentença que merece subsistir”, decidiu o TJ.

Fora do pedido
No recurso especial ao STJ, a mulher afirmou que as instâncias ordinárias não poderiam ter determinado a partilha de todos os bens adquiridos durante a união, pois essa decisão teria extrapolado o pedido feito na ação, que se limitava à dissolução da sociedade com partilha dos bens adquiridos exclusivamente em nome de ambos.


“Se o recorrido [ex-companheiro] pretendesse a partilha dos demais bens de propriedade da recorrente [ex-companheira], deveria ter contestado. Como não o fez, só lhe restaria então entrar com ação própria, com pedido específico de partilha dos bens que não foram colacionados, uma vez que não foram objeto da presente ação”, disse a defesa da mulher.

A ex-companheira alegou ainda que o ato jurídico cuja dissolução se buscou por meio da ação – a constituição da sociedade de fato – se deu em 24 de dezembro de 1986, e que a legislação aplicável deveria ser aquela vigente à época.

Em seu voto, o relator, ministro Villas Bôas Cueva, destacou que às uniões estáveis dissolvidas após a publicação da Lei 9.278, ocorrida em 13 de maio de 1996, aplicam-se as suas disposições, conforme já pacificado pelo STJ. No caso, a dissolução ocorreu em março de 1997.

“Os bens adquiridos a título oneroso enquanto perdurar a união estável, individualmente ou em nome do casal, a partir da vigência da Lei 9.278, pertencem a ambos, excepcionado o direito de disporem de modo diverso em contrato escrito, ou se a aquisição ocorrer com o produto de bens adquiridos em período anterior ao início da união”, afirmou o ministro.

Consequência natural
Sobre a alegação de que a decisão contestada teria extrapolado os limites da ação, o ministro assinalou que a meação é consequência natural do pedido de dissolução da união estável, motivo pelo qual o julgador não fica adstrito ao pedido de partilha dos bens relacionados na petição inicial da demanda.

Segundo o relator, mesmo havendo a revelia da outra parte, a autora da ação não demonstrou a ocorrência das hipóteses legais que poderiam afastar a presunção de condomínio sobre o patrimônio adquirido exclusivamente em seu nome. Com base em precedentes do STJ, o ministro disse que a Lei 9.278, ao contrário do regime legal anterior, “não exige prova de que a aquisição dos bens decorreu do esforço comum de ambos os companheiros para fins de partilha”.

STJ

Leia também:

comentários
publicidade

COMENTÁRIOS


Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 03/05/2016 ás 14:06:00

Justiça manda liberar WhatsApp em todo o país

A liberação do serviço depende agora das operadoras de telefonia, que devem ser notificadas da decisão.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 03/05/2016 ás 12:42:00

Atuação do Tribunal de Contas na Saúde será tema debatido no VI Encontro de Direito Médico de Rondônia

Com o tema “A atuação do Tribunal de Contas e a governança na Saúde”, a palestra acontece nesta sexta-feira, 6 de maio, no auditório do Tribunal de Justiça de Rondônia, em Porto Velho.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 03/05/2016 ás 12:32:00

DPE firmará TCT com a Sesau para reduzir judicialização na área de saúde

O acordo prevê a disponibilização por parte da Sesau de plantão nos finais de semana e feriados para que a Defensoria Pública possa resolver administrativamente as demandas que venham a surgir nesse período.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 03/05/2016 ás 12:16:00

Confirmada sentença que condena Basa a pagar diferenças salariais de bancários prejudicados com a lateralidade

Vânia Maria da Rocha Abensur, confirmou a condenação em que o banco terá que extinguir a prática da lateralidade no ambiente de trabalho e ressarcir todos os seus funcionários.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 03/05/2016 ás 12:10:00

Banco da Amazônia perde novamente e terá que pagar 7ª e 8ª horas a substituídos

O Banco da Amazônia voltou a ser condenado a pagar aos substituídos exercentes da função de ‘supervisor’, como extraordinárias, a sétima e oitava horas trabalhadas, vencidas e vincendas, desde o período de 10 de dezembro de 2010.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 03/05/2016 ás 12:03:00

Em recurso, Bradesco é condenado a pagar indenização mensal por danos materiais à bancária

Desta vez o banco, além de ter que pagar a indenização por danos morais no valor de R$ 50 mil, foi condenado ainda a ter que pagar um valor de R$ 1.581,40, todos os meses à bancária.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 02/05/2016 ás 08:54:00

Empresa indenizará família de empregado morto em acidente com bicicleta na volta para casa

Para o relator do recurso, ministro Emmanoel Pereira, a indenização é devida porque ficou configurada a culpabilidade da empregadora pelo acidente ocorrido.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 02/05/2016 ás 08:51:00

TST mantém decisão que impede retaliação a empregado que ajuizou ação contra a Caixa

O trabalhador obteve a antecipação de tutela alegando que, por ter ajuizado reclamação trabalhista contra a CEF com o contrato de trabalho em vigor, haveria o risco de que a CEF praticasse atos de retaliação, como rebaixá-lo de cargo, transferi-lo de agên

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 02/05/2016 ás 08:49:00

STJ destaca decisões relativas à legislação e aos direitos trabalhistas

São processos distintos dos normalmente tratados na Justiça do Trabalho, que geralmente envolvem pagamento de direitos e questões decorrentes da relação empregador-empregado.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 02/05/2016 ás 08:47:00

Mantida redução de indenização a pais de jovens mortos em brincadeira no trânsito

Quanto ao valor da indenização, o ministro reconheceu que a perda dos filhos foi uma situação de grande sofrimento, mas ressaltou que não poderia deixar de considerar que se as vítimas não tivessem aceitado a perigosa brincadeira, não teriam chegado a óbi

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2012 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com