13/02/2012 - 22h59min - Atualizado em 13/02/2012 - 22h59min

Relator: previdência do servidor só deve ir a voto depois do Carnaval

A votação do projeto que cria uma fundação para gerir os recursos do fundo de pensão para os servidores públicos.

A votação do projeto que cria uma fundação para gerir os recursos do fundo de pensão para os servidores públicos (Funpresp, PL 1992/07) deverá ficar para depois do Carnaval. A avaliação foi feita nesta segunda-feira pelo relator da proposta na Comissão de Seguridade Social e Família, deputado Rogério Carvalho (PT-SE). Ele é autor do substitutivo que vai nortear a votação no Plenário. Para facilitar a aprovação do texto, Carvalho informou que deverá acolher novas emendas de Plenário, fora as três já incorporadas ao texto.

Os deputados apresentaram 36 destas emendas. Carvalho deverá reuni-las em uma única “subemenda de relator”. Na opinião dele, não restam mais pontos complexos para negociação. A disputa em torno da votação se dá mais por motivos políticos do que técnicos. “O texto reflete o entendimento da maioria dos parlamentares e partidos”, disse o relator.
Figura jurídica 

Apesar de acolher novas emendas, ele adiantou que o cerne do seu substitutivo, lido no Plenário em dezembro, não deverá ser alterado. O ponto principal a ser mantido é a figura jurídica da Funpresp, que será uma fundação de natureza pública e regime jurídico privado. Alguns partidos, como PDT e PCdoB, pressionam para que o fundo complementar seja criado na forma de fundação pública. É uma disputa que envolve o entendimento do texto constitucional.

O artigo 40, parágrafo 15, determina que o regime de previdência complementar dos servidores tenha “natureza pública”. 
Para os críticos do projeto, somente uma fundação pública cumpre o requisito constitucional. Para o relator, uma fundação pública de direito privado atende a norma. Além disso, ele ressaltou que o Congresso não pode alterar a figura jurídica de um órgão cuja criação é de exclusividade do Executivo, como determina a Constituição no mesmo artigo e parágrafo.
Três fundos 

O parecer de Rogério Carvalho cria três fundos de pensão para os servidores públicos, divididos em Executivo, Legislativo e Judiciário, este último incorporando o funcionalismo do Ministério Público da União (MPU) e do Tribunal de Contas da União (TCU). O texto do Executivo institui um único fundo de pensão.

A divisão por poder vinha sendo reclamada por setores do Judiciário e do Legislativo. Os três fundos vão receber um aporte inicial de R$ 100 milhões da União, para início das atividades. Os recursos, que não estão contemplados no Orçamento deste ano, vão ser criados por meio de projeto de crédito adicional a ser enviado pelo Executivo para a Comissão Mista de Orçamento, segundo o relator.
Modelo mantido 

O substitutivo mantém o modelo de contribuição definida para servidores e órgãos públicos, e eleva de 7,5% para 8,5% a alíquota máxima de contribuição dos órgãos – o servidor vai escolher a sua. O acréscimo de um ponto percentual será usado para compor o Fundo de Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE), considerado pelo relator como um dos principais pontos do parecer.

O fundo vai custear aposentadoria por invalidez; pensão para os dependentes do participante; aposentadoria especial de portadores de deficiência, mulheres e pessoas que exerçam atividades de risco ou sob condições especiais. O texto do Executivo só garante o financiamento da aposentadoria por idade, o chamado “benefício programado”. Para os “não programados”, como pensão e invalidez, remete à regulamentação. A ampliação, segundo o relator, dá mais segurança jurídica para os servidores que ingressarem na Funpresp.

Outra mudança importante foi a inclusão de representantes dos servidores e pensionistas no conselho deliberativo da Funpresp, instância máxima do fundo de pensão, antes restrito apenas a representantes indicados pelos patrocinadores. A paridade também foi estendida ao conselho fiscal e à diretoria executiva, órgão colegiado que vai cuidar o dia-a-dia da fundação.

Portabilidade
Rogério Carvalho retirou dois pontos do texto original: suprimiu a portabilidade e o direito de estados e municípios também entrarem na Funpresp. No primeiro caso, ele entende que a possibilidade de os participantes retirarem os recursos do fundo e migrarem para similares na iniciativa privada “caracteriza privatização” e viola o preceito constitucional de que o regime complementar do servidor deve ter natureza pública. A exclusão de estados e municípios decorre do entendimento de que estes devem ter autonomia para criar seus próprios fundos de pensão.

Fonte: Agência Câmara

comentários
publicidade

COMENTÁRIOS


Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
GERAL | matéria escrita em 29/06/2016 ás 16:53:00

MP investiga possível formação de cartel entre postos de combustível de Pimenta Bueno

Em abril deste ano, a Promotoria de Justiça de Pimenta Bueno instaurou inquérito civil público para apurar o caso, em razão da semelhança de preços praticados por postos que atuam na cidade.

GERAL | matéria escrita em 29/06/2016 ás 16:51:00

Direito de Resposta Extrajudicial da Eucatur

Sobre matéria veiculada no TUDO RONDÔNIA

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 16:45:00

Resenha política - Robson Oliveira

O PSDB e a pré-candidatura a prefeito do ex-promotor Hildon. A tentativa de policiais militares de intimidarem a OAB.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 11:35:00

Airton Gurgacz destaca inauguração da usina de asfalto

Parlamentar anuncia emenda de R$ 1 milhão para aquisição de insumos.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 11:26:00

Laerte cita opinião da PGE, que impede realização de feira agropecuária de Médici

Parlamentar afirma que projeto encaminhado pela prefeitura ao governo apresenta falhas.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 11:19:00

Boabaid mostra vídeo sobre operação policial envolvendo advogado na capital

Em pronunciamento, parlamentar pediu retratação do presidente da OAB.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 11:15:00

Júnior Siqueira inspeciona início de obras no bairro Cohab Floresta

O bairro Cohab Floresta será contemplado com a pavimentação asfáltica de 35 ruas.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 11:04:00

Acir Gurgacz vai presidir comissão da reforma ministerial

Está é a primeira medida provisória editada pelo presidente interino.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 10:57:00

Mariana Carvalho leva reivindicação do curso de medicina para ministro

Ela tratou com o titular do MEC, o caso do curso de medicina da Unir.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 10:51:00

Deputados se reúnem com governador e discutem projetos

Paridade e integralidade dos policiais militares da reserva entre os temas abordados.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 10:48:00

Novo superintendente do Incra apresenta plano de trabalho a deputados

Entrega de títulos, regularização fundiária e redução de conflitos agrários na pauta.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 10:38:00

Deputados e governador recebem equipe do Ferroviário, campeã de torneio no Peru

Time de Porto Velho ganhou copa de vôlei disputada na capital peruana.

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 10:07:00

Rose Sena destaca importância da participação popular em debate sobre eleições

O debate é importante para o conscientização do eleitor e amadurecimento da classe política, explica Rose Sena...

POLíTICA | matéria escrita em 29/06/2016 ás 10:05:00

Dois ilustres homenageados

Valdemir Caldas

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2012 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com