13/02/2012 - 22h59min - Atualizado em 13/02/2012 - 22h59min

Relator: previdência do servidor só deve ir a voto depois do Carnaval

A votação do projeto que cria uma fundação para gerir os recursos do fundo de pensão para os servidores públicos.

A votação do projeto que cria uma fundação para gerir os recursos do fundo de pensão para os servidores públicos (Funpresp, PL 1992/07) deverá ficar para depois do Carnaval. A avaliação foi feita nesta segunda-feira pelo relator da proposta na Comissão de Seguridade Social e Família, deputado Rogério Carvalho (PT-SE). Ele é autor do substitutivo que vai nortear a votação no Plenário. Para facilitar a aprovação do texto, Carvalho informou que deverá acolher novas emendas de Plenário, fora as três já incorporadas ao texto.

Os deputados apresentaram 36 destas emendas. Carvalho deverá reuni-las em uma única “subemenda de relator”. Na opinião dele, não restam mais pontos complexos para negociação. A disputa em torno da votação se dá mais por motivos políticos do que técnicos. “O texto reflete o entendimento da maioria dos parlamentares e partidos”, disse o relator.
Figura jurídica 

Apesar de acolher novas emendas, ele adiantou que o cerne do seu substitutivo, lido no Plenário em dezembro, não deverá ser alterado. O ponto principal a ser mantido é a figura jurídica da Funpresp, que será uma fundação de natureza pública e regime jurídico privado. Alguns partidos, como PDT e PCdoB, pressionam para que o fundo complementar seja criado na forma de fundação pública. É uma disputa que envolve o entendimento do texto constitucional.

O artigo 40, parágrafo 15, determina que o regime de previdência complementar dos servidores tenha “natureza pública”. 
Para os críticos do projeto, somente uma fundação pública cumpre o requisito constitucional. Para o relator, uma fundação pública de direito privado atende a norma. Além disso, ele ressaltou que o Congresso não pode alterar a figura jurídica de um órgão cuja criação é de exclusividade do Executivo, como determina a Constituição no mesmo artigo e parágrafo.
Três fundos 

O parecer de Rogério Carvalho cria três fundos de pensão para os servidores públicos, divididos em Executivo, Legislativo e Judiciário, este último incorporando o funcionalismo do Ministério Público da União (MPU) e do Tribunal de Contas da União (TCU). O texto do Executivo institui um único fundo de pensão.

A divisão por poder vinha sendo reclamada por setores do Judiciário e do Legislativo. Os três fundos vão receber um aporte inicial de R$ 100 milhões da União, para início das atividades. Os recursos, que não estão contemplados no Orçamento deste ano, vão ser criados por meio de projeto de crédito adicional a ser enviado pelo Executivo para a Comissão Mista de Orçamento, segundo o relator.
Modelo mantido 

O substitutivo mantém o modelo de contribuição definida para servidores e órgãos públicos, e eleva de 7,5% para 8,5% a alíquota máxima de contribuição dos órgãos – o servidor vai escolher a sua. O acréscimo de um ponto percentual será usado para compor o Fundo de Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE), considerado pelo relator como um dos principais pontos do parecer.

O fundo vai custear aposentadoria por invalidez; pensão para os dependentes do participante; aposentadoria especial de portadores de deficiência, mulheres e pessoas que exerçam atividades de risco ou sob condições especiais. O texto do Executivo só garante o financiamento da aposentadoria por idade, o chamado “benefício programado”. Para os “não programados”, como pensão e invalidez, remete à regulamentação. A ampliação, segundo o relator, dá mais segurança jurídica para os servidores que ingressarem na Funpresp.

Outra mudança importante foi a inclusão de representantes dos servidores e pensionistas no conselho deliberativo da Funpresp, instância máxima do fundo de pensão, antes restrito apenas a representantes indicados pelos patrocinadores. A paridade também foi estendida ao conselho fiscal e à diretoria executiva, órgão colegiado que vai cuidar o dia-a-dia da fundação.

Portabilidade
Rogério Carvalho retirou dois pontos do texto original: suprimiu a portabilidade e o direito de estados e municípios também entrarem na Funpresp. No primeiro caso, ele entende que a possibilidade de os participantes retirarem os recursos do fundo e migrarem para similares na iniciativa privada “caracteriza privatização” e viola o preceito constitucional de que o regime complementar do servidor deve ter natureza pública. A exclusão de estados e municípios decorre do entendimento de que estes devem ter autonomia para criar seus próprios fundos de pensão.

Fonte: Agência Câmara

comentários

COMENTÁRIOS


publicidade
RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 31/07/2014 ás 17:24:00

Mulher de procurador da República em Rondônia acusa o marido e pastora de igreja de surras de cinto e cipó, cárcere privado e outros atos de violência

Mulher contou que foi trancafiada no alojamento de uma igreja evangélica, onde apanhava, passava fome e sofria outros tipos de maus tratos , tudo com apoio do marido ou praticados por ele.

GERAL | matéria escrita em 31/07/2014 ás 16:55:00

Ministério Público de Rondônia distribui cartilha sobre a Lei Maria da Penha

O objetivo é facilitar o entendimento da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/06) e onde e como as mulheres vítimas desse tipo de violência podem procurar ajuda.

GERAL | matéria escrita em 31/07/2014 ás 16:16:00

Segundo Arom, Planalto apoia prorrogação do prazo para extinção de lixões

Marinho da Caerd, informou que o Congresso e o governo federal já se sensibilizaram com a questão e sinalizam o interesse em aprovar uma medida prorrogativa ao prazo.

POLíTICA | matéria escrita em 31/07/2014 ás 12:02:00

PRE quer a impugnação do pedido de registro de candidatura de Romeu Reolon, ex-prefeito de Alto Paraíso

A fundamentação jurídica da PRE baseia-se no fato de que Romeu Reolon teve contas julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado.

GERAL | matéria escrita em 31/07/2014 ás 10:51:00

Sindsaúde cobra retroativo das progressões e insalubridade na Searh

O pedido de mudança na forma de pagamento está nas mãos da PGE para emissão de Parecer.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 31/07/2014 ás 10:06:00

Justiça revoga mandado de prisão de um dos acusados de participar do estupro e morte de Naiara Karine

Até agora persistem vários pontos obscuros sobre o assassinato da jovem, que trabalhava na loja da advogada e empresária Jaqueline Cassol , hoje candidata ao Governo pelo PR do senador Ivo Cassol.

GERAL | matéria escrita em 31/07/2014 ás 09:30:00

Semed abre 400 vagas no Ensino de Jovens e Adultos

A matrícula pode ser feita de segunda a sexta-feira, no período da noite, até o dia 30 de agosto, nas secretarias das escolas municipais que participam do projeto.

POLíTICA | matéria escrita em 31/07/2014 ás 09:27:00

Aluízio Vidal abre campanha pública de arrecadação de fundos para sua corrida ao senado

Ao analisar a importância da participação financeira da sociedade em sua campanha Aluízio Vidal disse que esta campanha para senador em Rondônia.

POLíTICA | matéria escrita em 31/07/2014 ás 09:25:00

TRE e FECOMÉRCIO firmam parceria para ‘conscientizar eleitores’

A Fecomércio vai apoiar esse trabalho, ajudando na impressão e distribuição dos cartazes. A parceria foi anunciada nesta segunda-feira (28).

GERAL | matéria escrita em 31/07/2014 ás 09:23:00

Curta Amazônia marca de empreendimento cultural rondoniense

A visibilidade positiva de uma marca é super importante, e requer muitos desafios.

POLíTICA | matéria escrita em 31/07/2014 ás 09:07:00

TJ Rondônia vai ouvir depoimento de deputado estadual acusado de embolsar dinheiro de assessora

A assessora tomou conhecimento de que, na verdade, esteve nomeada para o cargo no período de 2003/2004, sem nunca tê-lo exercido ou recebido qualquer valor do erário.

GERAL | matéria escrita em 31/07/2014 ás 08:38:00

Rondônia: LACEN investiga caso de doença de Chagas em paciente

Conhecida por tripanossomíase, a doença está sendo tratada no Centro de Medicina Tropical (Cemetron), em Porto Velho.

POLíTICA | matéria escrita em 31/07/2014 ás 08:36:00

Transposição: a culpa é do governo federal e da bancada de Rondônia

Valdemir Caldas

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 31/07/2014 ás 08:32:00

Rondônia: Denunciada por matar idoso será submetida a júri popular

De acordo com o que foi apurado, o crime teria sido praticado pelo fato de a vítima não ter assinado um falso contrato de compra e venda do imóvel em que residia.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 30/07/2014 ás 19:44:00

Retratação de vítima de violência doméstica não impede denúncia de agressor pelo MP

O MPE-RJ ofereceu denúncia contra W.W.M.T. por suposto crime de lesão corporal praticado com violência doméstica e familiar contra mulher.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2012 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com