13/02/2012 - 22h59min - Atualizado em 13/02/2012 - 22h59min

Relator: previdência do servidor só deve ir a voto depois do Carnaval

A votação do projeto que cria uma fundação para gerir os recursos do fundo de pensão para os servidores públicos.

A votação do projeto que cria uma fundação para gerir os recursos do fundo de pensão para os servidores públicos (Funpresp, PL 1992/07) deverá ficar para depois do Carnaval. A avaliação foi feita nesta segunda-feira pelo relator da proposta na Comissão de Seguridade Social e Família, deputado Rogério Carvalho (PT-SE). Ele é autor do substitutivo que vai nortear a votação no Plenário. Para facilitar a aprovação do texto, Carvalho informou que deverá acolher novas emendas de Plenário, fora as três já incorporadas ao texto.

Os deputados apresentaram 36 destas emendas. Carvalho deverá reuni-las em uma única “subemenda de relator”. Na opinião dele, não restam mais pontos complexos para negociação. A disputa em torno da votação se dá mais por motivos políticos do que técnicos. “O texto reflete o entendimento da maioria dos parlamentares e partidos”, disse o relator.
Figura jurídica 

Apesar de acolher novas emendas, ele adiantou que o cerne do seu substitutivo, lido no Plenário em dezembro, não deverá ser alterado. O ponto principal a ser mantido é a figura jurídica da Funpresp, que será uma fundação de natureza pública e regime jurídico privado. Alguns partidos, como PDT e PCdoB, pressionam para que o fundo complementar seja criado na forma de fundação pública. É uma disputa que envolve o entendimento do texto constitucional.

O artigo 40, parágrafo 15, determina que o regime de previdência complementar dos servidores tenha “natureza pública”. 
Para os críticos do projeto, somente uma fundação pública cumpre o requisito constitucional. Para o relator, uma fundação pública de direito privado atende a norma. Além disso, ele ressaltou que o Congresso não pode alterar a figura jurídica de um órgão cuja criação é de exclusividade do Executivo, como determina a Constituição no mesmo artigo e parágrafo.
Três fundos 

O parecer de Rogério Carvalho cria três fundos de pensão para os servidores públicos, divididos em Executivo, Legislativo e Judiciário, este último incorporando o funcionalismo do Ministério Público da União (MPU) e do Tribunal de Contas da União (TCU). O texto do Executivo institui um único fundo de pensão.

A divisão por poder vinha sendo reclamada por setores do Judiciário e do Legislativo. Os três fundos vão receber um aporte inicial de R$ 100 milhões da União, para início das atividades. Os recursos, que não estão contemplados no Orçamento deste ano, vão ser criados por meio de projeto de crédito adicional a ser enviado pelo Executivo para a Comissão Mista de Orçamento, segundo o relator.
Modelo mantido 

O substitutivo mantém o modelo de contribuição definida para servidores e órgãos públicos, e eleva de 7,5% para 8,5% a alíquota máxima de contribuição dos órgãos – o servidor vai escolher a sua. O acréscimo de um ponto percentual será usado para compor o Fundo de Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE), considerado pelo relator como um dos principais pontos do parecer.

O fundo vai custear aposentadoria por invalidez; pensão para os dependentes do participante; aposentadoria especial de portadores de deficiência, mulheres e pessoas que exerçam atividades de risco ou sob condições especiais. O texto do Executivo só garante o financiamento da aposentadoria por idade, o chamado “benefício programado”. Para os “não programados”, como pensão e invalidez, remete à regulamentação. A ampliação, segundo o relator, dá mais segurança jurídica para os servidores que ingressarem na Funpresp.

Outra mudança importante foi a inclusão de representantes dos servidores e pensionistas no conselho deliberativo da Funpresp, instância máxima do fundo de pensão, antes restrito apenas a representantes indicados pelos patrocinadores. A paridade também foi estendida ao conselho fiscal e à diretoria executiva, órgão colegiado que vai cuidar o dia-a-dia da fundação.

Portabilidade
Rogério Carvalho retirou dois pontos do texto original: suprimiu a portabilidade e o direito de estados e municípios também entrarem na Funpresp. No primeiro caso, ele entende que a possibilidade de os participantes retirarem os recursos do fundo e migrarem para similares na iniciativa privada “caracteriza privatização” e viola o preceito constitucional de que o regime complementar do servidor deve ter natureza pública. A exclusão de estados e municípios decorre do entendimento de que estes devem ter autonomia para criar seus próprios fundos de pensão.

Fonte: Agência Câmara

comentários
publicidade

COMENTÁRIOS


publicidade
POLíTICA | matéria escrita em 24/10/2014 ás 17:05:00

Pedida a cassação do vereador Léo Moraes

Centenas de recibos e cópias de cheques de delegados de polícia com doações supostamente ilegais para Léo Moraes foram apreendidos na sede do Sindicato da categoria

POLíTICA | matéria escrita em 24/10/2014 ás 12:16:00

Receita descobre sonegação de R$ 360 milhões por empresas em Rondônia

As empresas fizeram uma verdadeira "engenharia contábil e jurídica" para esconder o fato gerador e não pagar o tributo.

POLíTICA | matéria escrita em 24/10/2014 ás 08:29:00

Capixaba participa de comícios, reuniões e caminhadas em apoio a Confúcio Moura

“Confúcio tem compromisso e fidelidade. Por isso peço o apoio de todos para ajudá-lo na sua reeleição. Queremos ter dias melhores para o nosso Estado..."

POLíTICA | matéria escrita em 24/10/2014 ás 08:17:00

Sofrendo de debilidade física e mental, ex-presidente da ALE deve receber tratamento no João Paulo II

Justiça volta a negar liberdade a ex-parlamentar, que está preso desde setembro do ano passado. Defesa alega que ele sofre de síndrome do pânico e outros distúrbios mentais e físicos.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 24/10/2014 ás 06:38:00

Alterada carga horária obrigatória dos cursos para vitaliciamento de magistrados

De acordo com o ato normativo, a carga horária mínima exigida para tais cursos, a ser cumprida no segundo ano do estágio probatório, passa de 120 para 60 horas-aula.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 24/10/2014 ás 06:35:00

STF publica novas súmulas vinculantes no DJe

Não cabe ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de servidores públicos sob o fundamento de isonomia, diz uma das súmulas.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 24/10/2014 ás 06:33:00

STF nega recurso sobre compensação de débitos tributários com RPVs

O recurso teve repercussão geral reconhecida e a decisão nele tomada será aplicada em mais de 123 casos sobrestados (suspensos) em instâncias inferiores.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 24/10/2014 ás 06:31:00

Suspenso julgamento que discute indenização por demora na nomeação em cargo público

Os candidatos aprovados em concurso público realizado em 1991 para provimento de vagas no cargo de auditor fiscal no Tesouro Nacional postulam, judicialmente, direito de receber indenização.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 24/10/2014 ás 06:29:00

Alteração do valor de indenização do DPVAT é constitucional, diz STF

O recurso teve repercussão geral reconhecida e a tese firmada será seguida em mais de 770 casos sobrestados (suspensos) em instâncias inferiores.

POLíTICA | matéria escrita em 23/10/2014 ás 17:54:00

Em processo de Confúcio contra o Tudorondonia, juiz volta atrás e mantém liberdade de imprensa

O jornal representado, baseado em documento realmente existente e levado a conhecimento público, mesmo sendo sigilosos, em linguagem jornalística própria, apenas exerceu o seu pleno direito...

POLíTICA | matéria escrita em 23/10/2014 ás 17:45:00

Expedito diz que Detran deixará de servir à indústria das multas

Expedito disse que fará uma administração respeitosa e chamou a atenção do atual governo que, segundo ele...

GERAL | matéria escrita em 23/10/2014 ás 17:44:00

Oficina debate implementação de atendimento ao autor de violência sexual infantojuvenil

O evento foi realizado em parceria com o Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes...

GERAL | matéria escrita em 23/10/2014 ás 17:41:00

Outubro Rosa é lembrado pelo TRT14 com orientações sobre prevenção ao câncer de mama

O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo.

GERAL | matéria escrita em 23/10/2014 ás 17:39:00

Polícia Militar desmente ameaça de demissões

De acordo com o coronel Prettz, nenhum policial militar responde a processo administrativo “nos moldes apontados pela nota falaciosa”.

GERAL | matéria escrita em 23/10/2014 ás 17:35:00

Servidores da Sejus têm aulas de jiu-jitsu

As aulas têm duração de duas horas e ocorrem nas segundas, quartas e sextas-feiras na Esep.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2012 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com