13/02/2012 - 22h59min - Atualizado em 13/02/2012 - 22h59min

Relator: previdência do servidor só deve ir a voto depois do Carnaval

A votação do projeto que cria uma fundação para gerir os recursos do fundo de pensão para os servidores públicos.

A votação do projeto que cria uma fundação para gerir os recursos do fundo de pensão para os servidores públicos (Funpresp, PL 1992/07) deverá ficar para depois do Carnaval. A avaliação foi feita nesta segunda-feira pelo relator da proposta na Comissão de Seguridade Social e Família, deputado Rogério Carvalho (PT-SE). Ele é autor do substitutivo que vai nortear a votação no Plenário. Para facilitar a aprovação do texto, Carvalho informou que deverá acolher novas emendas de Plenário, fora as três já incorporadas ao texto.

Os deputados apresentaram 36 destas emendas. Carvalho deverá reuni-las em uma única “subemenda de relator”. Na opinião dele, não restam mais pontos complexos para negociação. A disputa em torno da votação se dá mais por motivos políticos do que técnicos. “O texto reflete o entendimento da maioria dos parlamentares e partidos”, disse o relator.
Figura jurídica 

Apesar de acolher novas emendas, ele adiantou que o cerne do seu substitutivo, lido no Plenário em dezembro, não deverá ser alterado. O ponto principal a ser mantido é a figura jurídica da Funpresp, que será uma fundação de natureza pública e regime jurídico privado. Alguns partidos, como PDT e PCdoB, pressionam para que o fundo complementar seja criado na forma de fundação pública. É uma disputa que envolve o entendimento do texto constitucional.

O artigo 40, parágrafo 15, determina que o regime de previdência complementar dos servidores tenha “natureza pública”. 
Para os críticos do projeto, somente uma fundação pública cumpre o requisito constitucional. Para o relator, uma fundação pública de direito privado atende a norma. Além disso, ele ressaltou que o Congresso não pode alterar a figura jurídica de um órgão cuja criação é de exclusividade do Executivo, como determina a Constituição no mesmo artigo e parágrafo.
Três fundos 

O parecer de Rogério Carvalho cria três fundos de pensão para os servidores públicos, divididos em Executivo, Legislativo e Judiciário, este último incorporando o funcionalismo do Ministério Público da União (MPU) e do Tribunal de Contas da União (TCU). O texto do Executivo institui um único fundo de pensão.

A divisão por poder vinha sendo reclamada por setores do Judiciário e do Legislativo. Os três fundos vão receber um aporte inicial de R$ 100 milhões da União, para início das atividades. Os recursos, que não estão contemplados no Orçamento deste ano, vão ser criados por meio de projeto de crédito adicional a ser enviado pelo Executivo para a Comissão Mista de Orçamento, segundo o relator.
Modelo mantido 

O substitutivo mantém o modelo de contribuição definida para servidores e órgãos públicos, e eleva de 7,5% para 8,5% a alíquota máxima de contribuição dos órgãos – o servidor vai escolher a sua. O acréscimo de um ponto percentual será usado para compor o Fundo de Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE), considerado pelo relator como um dos principais pontos do parecer.

O fundo vai custear aposentadoria por invalidez; pensão para os dependentes do participante; aposentadoria especial de portadores de deficiência, mulheres e pessoas que exerçam atividades de risco ou sob condições especiais. O texto do Executivo só garante o financiamento da aposentadoria por idade, o chamado “benefício programado”. Para os “não programados”, como pensão e invalidez, remete à regulamentação. A ampliação, segundo o relator, dá mais segurança jurídica para os servidores que ingressarem na Funpresp.

Outra mudança importante foi a inclusão de representantes dos servidores e pensionistas no conselho deliberativo da Funpresp, instância máxima do fundo de pensão, antes restrito apenas a representantes indicados pelos patrocinadores. A paridade também foi estendida ao conselho fiscal e à diretoria executiva, órgão colegiado que vai cuidar o dia-a-dia da fundação.

Portabilidade
Rogério Carvalho retirou dois pontos do texto original: suprimiu a portabilidade e o direito de estados e municípios também entrarem na Funpresp. No primeiro caso, ele entende que a possibilidade de os participantes retirarem os recursos do fundo e migrarem para similares na iniciativa privada “caracteriza privatização” e viola o preceito constitucional de que o regime complementar do servidor deve ter natureza pública. A exclusão de estados e municípios decorre do entendimento de que estes devem ter autonomia para criar seus próprios fundos de pensão.

Fonte: Agência Câmara

comentários

COMENTÁRIOS


Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
GERAL | matéria escrita em 19/04/2014 ás 19:08:00

Jogos do Brasileirão terão um minuto de silêncio em homenagem a Luciano do Valle

"Ele era, sobretudo, um amigo da CBF. Luciano foi um ícone da televisão, um verdadeiro patrimônio da nossa imprensa", disse Marin, em nota.

GERAL | matéria escrita em 19/04/2014 ás 19:05:00

Morre aos 66 anos o narrador Luciano do Valle

Ele passou mal durante uma viagem de avião para Uberlândia (MG), onde narraria a partida entre Atlético-MG e Corinthians pela primeira rodada do Brasileirão.

GERAL | matéria escrita em 19/04/2014 ás 19:05:00

Morre aos 66 anos o narrador Luciano do Valle

Ele passou mal durante uma viagem de avião para Uberlândia (MG), onde narraria a partida entre Atlético-MG e Corinthians pela primeira rodada do Brasileirão.

POLíTICA | matéria escrita em 19/04/2014 ás 18:50:00

Procuradoria Geral Eleitoral pede a cassação do diploma de Cassol

senadora Fátima Cleide, do PT, pode assumir no lugar de Ivo Cassol.

POLíCIA | matéria escrita em 19/04/2014 ás 18:34:00

Várias ações da PM resultam na apreensão de 18 quilos de maconha

Na Delegacia infratora telefona para comparsa e diz: " sai daí!"

GERAL | matéria escrita em 19/04/2014 ás 17:22:00

V Fórum IEL de Gestão empresarial debaterá riscos e oportunidades na era digital

A especialista lembra que muitas empresas criam uma resistência a este novo recurso no início, mas depois a evolução tecnológica torna a disputa mais acirrada.

POLíTICA | matéria escrita em 19/04/2014 ás 17:16:00

“A luta armada durante a ditadura foi um erro”, diz Franklin Martins

Convidado para contar sua experiência na luta armada durante a ditadura, o jornalista acredita ter sido um erro do movimento ter pego em armas contra as forças militares.

GERAL | matéria escrita em 19/04/2014 ás 17:13:00

Após quatro dias internado, José Serra recebe alta

No final de janeiro deste ano, José Serra passou por uma cirurgia de próstata também no Sírio-Libanês.

POLíCIA | matéria escrita em 19/04/2014 ás 16:54:00

Corpo do 1º Sargento PM Claudiomir Ferraz foi sepultado com honras militares

A sua esposa, Claudiana Ferraz, recebeu do Comandante do 7º BPM, Tenente Coronel PM Ênedy Dias, a bandeira do Estado de Rondônia.

GERAL | matéria escrita em 19/04/2014 ás 15:54:00

Mata o Judas! Mata o Judas! - Por Osmar Silva

Naqueles tempos, não muito longe assim, os valores eram intrínsecos. Não se batia nas crianças durante a Semana Santa, marido e mulher não brigavam. Não se bebia bebida alcoólica e nem se ouvia música do ‘mundo’.

POLíTICA | matéria escrita em 19/04/2014 ás 15:43:00

Vereador Sid entrega às autoridades relatório com as áreas para a reconstrução dos distritos ribeirinhos

“Em Nazaré , apontamos a área em volta da escola estadual , e em Calama, uma área ao lado da Escola Estadual. A Nova São Carlos ficaria onde é hoje a fazenda do Irmão Tião".

POLíTICA | matéria escrita em 19/04/2014 ás 15:38:00

Vereadores aprovam título de cidadão honorário a Grão Mestre da Glomaron

A entrega da comenda está para marcada para o próximo dia 29, a partir das 15h, no plenário da Câmara Municipal.

GERAL | matéria escrita em 19/04/2014 ás 15:34:00

José Serra está internado no Hospital Sírio-Libanês

A assessoria do ex-governador disse também que o quadro clínico dele evoluiu e, na tarde deste sábado , a febre está sob controle.

GERAL | matéria escrita em 19/04/2014 ás 15:31:00

Advogados de líder da greve da PM baiana entram com pedido de habeas corpus

Prisco liderou um movimento grevista dos policiais militares da Bahia, que foi encerrado na última quinta-feira (17).

GERAL | matéria escrita em 19/04/2014 ás 15:27:00

Faltam interesse e vontade política de assumir a questão indígena, diz Cimi

Para ele, a situação desses povos tradicionais piorou nos últimos anos, tanto pela demora na demarcação de terras indígenas, o que favorece os conflitos fundiários e a violência, quanto...

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2012 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com