/ geral / STJ

11/05/2010 - 18h16min - Atualizado em 11/05/2010 - 18h16min

Rondônia: Optometrista não pode praticar atos privativos de médico

O Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO) determinou que os profissionais deixassem de realizar consultas e receitar óculos sem o respectivo laudo médico.

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido de dois profissionais de Rondônia que pretendiam continuar realizando consultas e exames optométricos e prescrevendo o uso de óculos e lentes de contato. O Ministério Público Federal havia entrado com ação civil para que os profissionais fossem impedidos de praticar atos privativos de médicos.

O Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO) determinou que os profissionais deixassem de realizar consultas e receitar óculos sem o respectivo laudo médico. O tribunal também estabeleceu que eles deveriam adequar a publicidade da empresa.

Os optometristas recorreram ao STJ contra essa decisão da justiça de Rondônia. Eles questionavam a legalidade da Portaria n. 397/2002. Esse ato, editado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, teria alargado as atividades do optometrista em relação aos decretos n. 20.931/1932 e 24.492/1934, o que deveria levar ao reconhecimento da inconstitucionalidade da norma.

A relatora, ministra Eliana Calmon, considerou que no âmbito do recurso especial não é viável verificar a recepção (quando a Constituição recebe as leis já existentes e compatíveis com o texto constitucional e dá validade a elas) desses decretos pela Constituição Federal de 1988, uma vez que não compete ao STJ analisar questões de caráter constitucional. Entretanto, a ministra esclareceu que o Tribunal já se manifestou pela vigência dos dispositivos do Decreto n. 20.931/1932, que trata do profissional de optometria. A legislação que revogou esse decreto foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal, assim o decreto continua eficaz.

A relatora no STJ concluiu que a portaria editada pelo Ministério do Trabalho e Emprego extrapolou o que previa a legislação que trata do assunto, “ao permitir que os profissionais óticos realizem exames e consultas optométricos, bem como prescrevam a utilização de óculos e lentes”, arrematou a ministra. Por isso, ela concordou com o posicionamento do TJRO – no sentido de que os profissionais se abstenham de realizar consultas e prescrever óculos sem o respectivo laudo médico – e negou o pedido dos optometristas. Por unanimidade, os ministros da Segunda Turma acompanharam o voto da relatora.

comentários

COMENTÁRIOS


publicidade
POLíTICA | matéria escrita em 23/07/2014 ás 20:23:00

PAINEL POLÍTICO - ALAN ALEX

Coluna - Solidariedade emperra julgamento de Expedito.

POLíTICA | matéria escrita em 23/07/2014 ás 20:15:00

Sem pagamento de Licenças: Confúcio recomenda que servidores viagem

"Isso é muito proveitoso e faz bem à saúde", recomendou o governador, que é médico e candidato à reeleição. Ele fez uma vaga menção quanto ao pagamento dos direitos dos servidores.

POLíTICA | matéria escrita em 23/07/2014 ás 18:10:00

"Bob Marley " quer ser deputado em Rondônia

Bob Marley declarou que pode gastar até R$ 600 mil para tentar conseguir uma das 24 cadeiras da Assembleia Legislativa de Rondônia.

GERAL | matéria escrita em 23/07/2014 ás 17:38:00

Cremero critica número de vagas abertas pela Sesau para a contratação de profissionais de diversas especialidades médicas

Segundo o presidente do Cremero, Rodrigo Almeida, há apenas uma vaga para as diversas especialidades médicas, que, na verdade, necessitam da contratação de vários profissionais.

POLíTICA | matéria escrita em 23/07/2014 ás 17:29:00

Responsabilidade Fiscal: Relatório do TCE mostra que prefeito de Ouro Preto cometeu dezenas de ilegalidades

O descalabro administrativo na administração municipal de Ouro Preto levou o TCE a determinar apuração da conduta do prefeito, Alex testoni.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2014 ás 16:20:00

Projeto obriga candidato a informar eventual situação de 'ficha suja' na propaganda eleitoral

O autor acrescenta que, já nestas eleições, é possível ver candidatos pedindo votos embora tenham condenação por órgão judicial colegiado.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2014 ás 16:17:00

Novas regras para processos trabalhistas entram em vigor em 60 dias

Entre outras medidas, a lei estabelece regras para a uniformização da jurisprudência no âmbito dos Tribunais Regionais do Trabalho, amplia o poder dos ministros relatores no TST...

GERAL | matéria escrita em 23/07/2014 ás 15:39:00

Associação eleitoreira dos Donadon é condenada a devolver quase R$ 700 mil aos cofres públicos

Segundo apurou o TCE, a fundação recebeu duas vezes pelos mesmos supostos serviços assistencialistas. Embolsou dinheiro federal repassado à Prefeitura de Vilhena e também do Estado.

POLíTICA | matéria escrita em 23/07/2014 ás 14:54:00

Juiz absolve deputada da acusação de propaganda eleitoral antecipada no Facebook

Segundo o juiz, "a propaganda eleitoral extemporânea se configura, segundo jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral, quando estas tem o propósito objetivo de angariar votos".

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2014 ás 13:15:00

2ª Câmara Especial do TJRO mantém os direitos políticos suspensos de ex-parlamentar

Ele utilizou o trabalho de dois servidores custeados pela Assembleia Legislativa estadual em sua instituição particular,uma fundação asssistencialista que leva seu nome.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2014 ás 10:27:00

Liminar obriga Ifro a aplicar nova prova de concurso para professor de Libras

No prazo de 60 dias, a Ifro deverá aplicar nova prova objetiva para o cargo de professor de Libras

GERAL | matéria escrita em 23/07/2014 ás 10:20:00

Mauro Nazif recebe representantes de agremiações para discutir sobre o desfile de carnaval

O primeiro tema a ser debatido foi quando a data do desfile, programada inicialmente para os dias 25, 26 e 27 de julho.

POLíTICA | matéria escrita em 23/07/2014 ás 10:21:00

Tiro no pé

Valdemir Caldas

POLíTICA | matéria escrita em 23/07/2014 ás 10:15:00

PAINEL POLÍTICO - ALAN ALEX

CEMADERON está sendo usada para fins eleitorais.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 23/07/2014 ás 10:04:00

União não pode confiscar recursos de RO destinados ao reparo de calamidades

A decisão foi tomada após o estado informar que a União realizou no início de julho lançamento de débitos no valor de R$ 6,3 milhões.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2012 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com