Apreensão de passaporte: Da Itália, Padre Franco diz que juiz de Cacoal age de forma desproporcional e desnecessária contra ele

“Gostaria muito de poder estar em Cacoal e responder a essa audiência pessoalmente, mas como tenho minha função no sacerdócio, por hora estou a trabalho na Itália, o que não impede que eu retorne a Cacoal num futuro breve”.

Tudorondonia
Publicada em 13 de junho de 2018 às 09:13

O ex-prefeito de Cacoal, Padre Franco Vealetto, que deixou o PT e ingressou no PP, queixou-se do juízo da 1ª Vara Criminal daquela comarca, acusando de agir de forma desnecessárie e desproporcional contra ele ao mandar apreender seu passaporte para obrigá-lo a comparecer em audiência judicial a fim de responder como réu em processo por crime de responsabilidade.

Leia também: Desembargador mantém decisão que mandou apreender passaporte de ex-prefeito de Cacoal

Padre Franco tem dupla cidadania e está na Itália, onde atua como padre, e disse que não está fugido da justiça, mas acrescentou: “Gostaria muito de poder estar em Cacoal e responder a essa audiência pessoalmente, mas como tenho minha função no sacerdócio, por hora estou a trabalho na Itália, o que não impede que eu retorne a Cacoal num futuro breve”.

Sobre a possibilidade de apreensão de seu passaporte, Padre Franco tirou uma foto com os documentos em mãos, postou nas redes sociais, onde falou sobre a justiça: “...essa atitude desproporcional e desnecessária por parte do juiz de Cacoal foi motivo para que meus superiores na Igreja não autorizasse a minha candidatura a Deputado Federal, por verificarem que de fato existe uma grande perseguição política a minha pessoa. Mas como quem comanda a minha vida é Deus, o futuro a ele pertence. Um grande abraço a todos com saudades”.

CONFIRA A POSTAGEM DE PADRE FRANCO

Venho a público, usando meu direito de resposta quanto ao que foi noticiado na imprensa de Rondônia de que meu passaporte foi apreendido em razão de processos judiciais em Cacoal da época que fui Prefeito.

Quando assumimos função pública é natural que respondemos por atos da administração, principalmente quando se é Prefeito, e comigo não seria diferente.

Existem apenas dois processos judiciais em curso da época em que fui Prefeito, mas posso garantir que em nenhum dos dois processos é por por motivo de DESVIO DE RECURSOS PÚBLICOS como falsamente noticiaram.

As contas do município durante esses oito anos, foram todas aprovadas pelos tribunais de contas da União e do Estado de Rondônia, e quando encerrei o segundo mandato deixei tudo em dia e muitos milhões de reais em caixa.

Uma administração pública municipal como a de Cacoal é impossível que se consiga cem por cento de perfeição, mas dentro das possibilidades, nas duas gestões fiz o melhor que pude com toda equipe técnica, para atender as necessidades da população.

Ao término do meu mandato retornei para Itália e assumi minhas funções de padre e missionário que sempre fui.

Meu advogado comunicou no processo judicial meu novo endereço na Itália e eu sempre estive à disposição da justiça para toda e qualquer audiência de acordo com a lei. Nunca me omiti. Tanto é verdade que fui informado pelo Advogado que o juiz ja havia decidido me intimar por carta rogatória a qual estou aguardando.

Eu estive em Cacoal no mês de Março de 2018 visitando meus amigos e celebrando missas nas comunidades, e não tinha nenhuma Audiência marcada naqueles poucos dias que lá estive.

A lei brasileira não me obriga a permanecer na cidade à espera de um dia ser intimado para audiência, porque apesar de ser naturalizado brasileiro, sou italiano e nada me impede de estar em qualquer país do mundo desenvolvendo minha missão de padre. É por isso que existe na lei brasileira o requisito da CARTA ROGATÓRIA para me intimar onde eu estiver.

Sai do Brasil no dia 5 de Abril com Passagem que eu já havia comprado e marcado há dois meses antes. E ao chegar na Itália no dia 6 de Abril fiquei sabendo que o juiz da vara de Cacoal, Carlos Burck, havia determinado a apreensão do meu passaporte naquele mesmo dia 6.

Declaro que nunca tinha sido intimado para essa audiência antes e que não houve apreensão do meu passaporte em momento algum, até mesmo porque eu já me encontrava aqui na Itália. Também não sou impedido de retorno ao Brasil porque não cometi nenhum crime que impeça meu direito à liberdade de ir e vir.

Gostaria muito de poder estar em Cacoal e responder a essa audiência pessoalmente, mas como tenho minha função no sacerdócio, por hora estou a trabalho na Itália, o que não impede que eu retorne a Cacoal num futuro breve.

Declaro ainda que essa atitude desproporcional e desnecessária por parte do juiz de Cacoal foi motivo para que meus superiores na Igreja não autorizasse a minha candidatura a Deputado Federal, por verificarem que de fato existe uma grande perseguição política a minha pessoa. Mas como quem comanda a minha vida é Deus, o futuro a ele pertence. Um grande abraço a todos com saudades.

Padre Franco Vialetto

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Pedro Manso 13/06/2018

    Infelismente Sergio Moro não esta em Rondonia, esse cara de pau não teria nem saido do Brasil.

  • 2
    image
    jacir 13/06/2018

    SÓ CADEIA NESTE PETRALHA RESOLVE A SUA SITUAÇÃO, CADEIA JÁ IGUAL SEU CHEFE LULADRÃO

  • 3
    image
    Paulo Nascimento 13/06/2018

    Esse "padre" deveria se preocupar com seu sacerdócio e não com política. Espero que não retorne mais ao Brasil e que fique por lá.

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook