Aprovado projeto do deputado Lucio Mosquini que facilita o crédito fundiário

Para o deputado Lucio Mosquini, o crédito fundiário deve deixar de ser visto apenas como mecanismo de complementação à Política Nacional de Reforma Agrária

Assessoria
Publicada em 09 de dezembro de 2019 às 11:26
Aprovado projeto do deputado Lucio Mosquini que facilita o crédito fundiário

Desburocratizar o acesso ao crédito fundiário e simplificar os critérios de comprovação de dados dos produtores rurais que pleiteiam o benefício. É o que prevê o Projeto de Lei Complementar (PLP) 197/2019, de autoria do deputado Lucio Mosquini (MDB-RO). A proposta modifica o Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF) para facilitar a compra de imóveis rurais por trabalhadores sem terra.

O texto, que tem como relator o deputado Vinícius Poit (NOVO-SP), foi aprovado, por unanimidade, nesta quarta-feira, 4, na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento rural (CAPADR).“Na minha opinião, é um projeto exemplo, um avanço para a política fundiária do país, já que oferece novas fontes de recursos para o crédito fundiário”, disse Poit.

O projeto garante a inclusão das cooperativas de crédito entre os possíveis operadores e torna a análise do preenchimento dos requisitos uma função dos próprios bancos que concederão o crédito. Além disso, retira a obrigatoriedade de comprovação de tempo de experiência na atividade agropecuária, o que democratiza o acesso a terra.

Para o deputado Lucio Mosquini, o crédito fundiário deve deixar de ser visto apenas como mecanismo de complementação à Política Nacional de Reforma Agrária. “É chegada a hora de o PNCF assumir destaque na política de reordenamento agrário do País”, ressaltou Mosquini.

O projeto segue agora para as Comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça. Depois, será analisado pelo Plenário da Câmara.

Saiba mais

O Programa Nacional de Crédito Fundiário oferece condições para que os trabalhadores sem terra possam comprar imóvel rural. Além da terra, os recursos financiados podem ser utilizados na propriedade e na contratação de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para que o agricultor desenvolva as suas atividades de forma autônoma. O programa prevê também ações de incentivo à participação de jovens e mulheres em todas as etapas do processo de acesso à terra. Outra garantia prevista é a execução de projetos especiais voltados para a preservação do meio ambiente.

O programa disponibiliza recursos de até R$ 7,5 mil, exclusivos para a contratação de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) por cinco anos com parcelas anuais de até R$ 1,5 mil por beneficiário.

Podem participar trabalhadores rurais sem terra ou com pouca terra, entre 18 e 65 anos. Mas para ser beneficiado pelo programa atualmente, é preciso comprovar experiência de, no mínimo, cinco anos em atividades rurais nos últimos 15 anos. Essa obrigatoriedade é uma das alterações propostas pelo projeto aprovado hoje.

Pela regra, o agricultor não pode ser funcionário público, nem ter sido assentado ou ter participado de algum programa que tenha recursos do Fundo de Terras da Reforma Agrária.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook