Campanha educa, mas também pode multar e levar à prisão

As ações se realizarão até o final de outubro, período mais agudo da estiagem. Infrator pode pagar multa e até ser preso.

 Comunicação - Prefeitura de Porto Velho
Publicada em 29 de junho de 2017 às 17:13
Campanha educa, mas também pode multar e levar à prisão

Quem for pego, pessoa física ou empresa, em flagrante ou denunciado, pelos órgãos de fiscalização e defesa ambiental praticando queimadas na região de Porto Velho, será processado criminalmente, responder por crime ambiental, podendo até ser preso e pagar multas que vão de R$ 3 mil a R$ 7 milhões.

O alerta foi feito pela coordenadora da campanha de intensificação ao combate às queimadas no município, Tainan Alleyne, durante reunião com entidades parceiras da Sema (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) para nivelamento de informações e ações de conscientização e combate a focos de queimadas.

Sob o lema “Queimada mata – não deixa e vida desaparecer na fumaça”, adverte que colocar fogo em terrenos, pastos e quintais, além de poluir o ar, causa uma série de doenças e igualmente sérios danos ao meio ambiente. Os prejuízos provocados pelo homem sobre o ambiente em que vive ocorrem também à economia, à saúde pública, à segurança e com fortes impactos sociais.

Durante o encontro na Sema, discutiram-se ações já em execução e outras que começam a partir desta sexta-feira junto a comunidades estudantis, moradores, motoristas, mutirões ambientais em bairros, principalmente os que concentram maior incidência de focos de queimadas, limpeza e recolhimento de entulhos, além de visitas aos distritos do Baixo Madeira e no eixo da rodovia BR-364.

O secretário Robson Damasceno (Meio Ambiente) informou que a campanha deste ano tornou-se referência para outros municípios rondonienses, inclusive com a criação de um mapa georreferencial. A preocupação da Sema junto aos parceiros tem sido trabalhar na população a consciência de que as ações devem ser contínuas, não se limitando a campanhas anuais. Deve-se trabalhar inicialmente a educação e a conscientização mas, nos casos em que isso não adiantar, adota-se a aplicação de penas pecuniárias, processual e criminal, incluindo a prisão.

AGENDA

Para se obterem informações ou fazer denúncias sobre crimes ambientais, principalmente as queimadas, qualquer pessoa pode ligar para o whatsapp 9 9374-8556. Participaram da reunião e são parceiros da Sema, entre outros, Corpo de Bombeiros, Pelotão Florestal, Defesa Civil Municipal, faculdades, Sipam, Arquidiocese, Funasa, entre outros.

Nesta sexta-feira, grupos voluntários de trabalho farão, com o apoio da Polícia Militar, da Polícia Ambiental, Secretaria Municipal de Trânsito e Polícia Rodoviária Federal, eco blitz nos principais cruzamentos de Porto Velho. Haverá também mutirão ambiental nos bairros que concentram o maior índice de queimadas, que são o São Francisco, Jardim Santana, Nacional, Castanheira e Costa e Silva.

Além disso, também ocorrem, em parcerias com a empresa Marquise, palestras em escolas da rede publica municipal de ensino, além de visitas com o mesmo objetivo, a distritos do Baixo Madeira, em setembro, e nos distritos e reassentamentos da BR-364, no final de julho.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook