Prefeito desmente “carne estragada” em escola e chama vereador de “sensacionalista” e “irresponsável”

Parlamentar recebeu denúncia anônima e levou caso ao Ministério Público.

Fonte: Folha do Sul
Publicada em 09 de novembro de 2018 às 13:46
Prefeito desmente “carne estragada” em escola e chama vereador de “sensacionalista” e “irresponsável”

Criticado duramente pelo vereador Carlos Suchi  (Podemos), durante a sessão da Câmara de Vilhena na última terça-feira, 06, o prefeito Eduardo Japonês (PV) visitou a redação do FOLHA DO SUL ON LINE na manhã de hoje e subiu o tom contra o parlamentar.

O prefeito classificou como “sensacionalista” e “irresponsável” a acusação do vereador, que usou a tribuna da Câmara para dizer que uma escola na zona rural teria recebidp “carne estragada”. Japonês disse que, além de apresentar uma denúncia infundada, Suchi dirigiu a ele ataques pessoais.

O mandatário também questionou o fato de o edil só ter levado a conhecimento público uma denúncia anônima que havia recebido dez dias antes. “Se a carne estivesse mesmo estragada, muitas crianças teriam sido prejudicadas, porque ao invés de fiscalizar, que é o seu papel, ele preferiu ‘se aparecer’ para fazer política usando um assunto sério”, disparou.

Eduardo disse que, no dia 26 do mês passado, depois de receber a denúncia de que um lote de carne imprópria para consumo estaria sendo levado para a escola municipal do distrito de São Lourenço, Suchi acionou a polícia e apresentou denúncia no Ministério Público. Só uma semana depois é que o parlamentar, num sábado (dia 03), foi à instituição de ensino e sequer viu o produto que ele disse estar “estragado”.

VERSÃO DO PREFEITO
Eduardo garante que a carne tinha apenas um “cheiro forte” e que havia sido liberada pela nutricionista da Semed. Também explica que, dos 20 pacotes descarregados na escola, apenas dois apresentavam o problema. No mesmo dia em que tomou ciência do fato, o secretário de Educação, Clésio Costa, e o dono da empresa que fornece a carne, estiveram na escola. O produto que apresentava o cheiro forte estava próprio para o consumo, mas mesmo assim, foi recolhido.

COLEGAS INVESTIGAM
No dia seguinte à denúncia de Suchi, outros dois vereadores (Ronildo Macedo e Wilson Tabalipa, ambos do PV) foram à escola, e atestaram que a carne suspeita havia sido devolvida. Os dois também conversaram com integrantes da comissão de recebimento da merenda e descartaram qualquer risco para os alunos. Se certificaram, ainda, que a firma responsável pelo fornecimento da carne é a mesma que já atuava na gestão da então prefeita Rosani Donadon (MDB)

JAPONÊS IRRITADO
Ao classificar como “irresponsável” a atitude do vereador acusador, o prefeito disparou: “Ele não teve a menor consideração pelos servidores, que são os responsáveis pela merenda. Ouviu o boato e saiu fazendo escândalo, sem sequer se dar ao trabalho de investigar, que aliás é seu papel. Não tenho nenhum problema com críticas, mas esse tipo de postura é inaceitável. O vereador deveria era elogiar os servidores que devolveram a carne, mesmo ela tendo sido liberada pela nutricionista. Quis fazer política e acabou repetindo a mesma bobagem que já havia feito antes”, cutucou, lembrando uma trapalhada de Suchi, ao confundir o nome de uma professora ao apresentar outra denúncia “furada”. Lembre aqui.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook