Projeto de Mariana Carvalho amplia atendimento de mulheres grávidas pelo SUS

A deputada apresentou um projeto de lei que garante o acesso ao exame de triagem pré-natal combinada para pré-eclâmpsia.

Assessoria
Publicada em 07 de dezembro de 2018 às 09:54
Projeto de Mariana Carvalho amplia atendimento de mulheres grávidas pelo SUS

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB – RO) apresentou um projeto de lei que garante o acesso ao exame de triagem pré-natal combinada para pré-eclâmpsia para todas as grávidas que façam o pré-natal pelo SUS, seja em âmbito federal, estadual ou municipal. A pré-eclâmpsia ocorre quando a mulher grávida apresenta pressão arterial elevada, o que pode gerar sérias complicações.

Segundo a parlamentar, que é médica, o exame deve ser realizado até a 14ª semana de gestação e engloba cinco procedimentos diferentes para identificar a condição. As gestantes com alto risco para pré-eclâmpsia devem iniciar o tratamento adequado até, no máximo, a 16ª semana. A proposta determina ainda que os profissionais de saúde recebam capacitação profissional para prestar atendimento adequado.

Pela proposta da segunda secretária da Mesa Diretora da Câmara, o exame será acrescentado aos exames clínicos e laboratoriais já previstos na conduta médica durante toda a gravidez, para garantir a integridade das condições de saúde da mãe e do bebê.

Em sua justificativa, a deputada destaca a importância das mães começarem o pré-natal assim que tiverem a gravidez confirmada. Os exames revelam a ocorrência de doenças que possam afetar a criança e o seu desenvolvimento no útero. A hipertensão arterial pode acometer as gestantes, sendo considerado um grave problema de saúde.

Com o diagnóstico precoce e consequente tratamento, as mortes de mães tendo como causa doença hipertensiva gestacional podem ser evitadas. Basta adotar o tratamento adequado e controle médico durante o período da gravidez.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

Por lei, ficha suja não pode assumir cargo público

Por lei, ficha suja não pode assumir cargo público

Pensar o contrário seria renunciar o exercício de uma obrigação. Agora, se a autoridade acha normal nomear um ficha suja para exercer cargo público, está desrespeitando a Lei e, portanto, precisa responder pelas consequências de seu ato.