Visita domiciliar comprova existência de beneficiários do Instituto de Previdência de Rondônia

A enfermidade o impede de sair de casa e para comprovar para a Previdência que está vivo, sua família solicitou visita domiciliar ao Instituto de Previdência do Estado de Rondônia (Iperon).

Secom
Publicada em 11 de abril de 2017 às 13:11

O aposentado Benedito Alves de Lima completou 80 anos nesta segunda-feira (10). A enfermidade o impede de sair de casa e para comprovar para a Previdência que está vivo, sua família solicitou visita domiciliar ao Instituto de Previdência do Estado de Rondônia (Iperon). Ele foi o quinto beneficiário a receber em casa servidores do Instituto neste primeiro censo.

Vítima de atropelamento  e depois de dois Acidentes Vascular Cerebral (AVC), Benedito há algum tempo perdeu a capacidade de ir e vir por conta própria. Hoje depende da filha Nádia Lima, que deixou o trabalho para se tornar sua cuidadora em tempo integral. Ela mesma solicitou a visita do Instituto.

O aposentado serviu ao governo por mais de 30 anos, sendo lotado inicialmente no antigo Departamento de Obras Públicas. Algum tempo antes da aposentadoria foi transferido para o Pronto-Socorro João Paulo II, em Porto Velho, onde exerceu a função de agente de portaria. “Meu pai sempre foi um homem independente, passou alguns anos sozinho, depois veio morar perto da minha casa, mas desde o ano passado tive que trazê-lo para morar comigo, pois não tinha mais como ficar só”, disse Nádia.

Ao receber a equipe do Iperon, o aposentado mostrou-se satisfeito quando soube que não precisaria sair de casa para fazer o cadastramento. “A gente não tem condução própria e às vezes fica difícil levá-lo aos lugares”, argumentou Nádia.

A assistente social Marielza  Pereira de Sousa, responsável pela visita, explicou que para o Instituto é muito importante  que os familiares entrem em contato com o Iperon, quando o beneficiário, seja ele aposentado ou pensionista, necessita de um atendimento especial. “O censo é obrigatório. E se o beneficiário não pode  se deslocar, nós podemos ir até aonde ele está”.

A visita domiciliar  só é realizada em Porto Velho. Nas demais localidades  os familiares devem solicitar a presença de  um serventuário de cartório para a comprovação de vida.  O procedimento deve ser o mesmo para aposentados e pensionistas hospitalizados ou internados em casas de repouso.

A visita domiciliar comprova que o beneficiário está vivo, e a família assume o compromisso  de em até 15 dias concluir o recadastramento,  acessando o link  no site  http://www.rondonia.ro.gov.br/iperon/  ou apresentando a documentação do beneficiário no Instituto em Porto Velho ou em uma das regionais em Guajará-Mirim, Ariquemes, Ji-Paraná, Cacoal, Rolim de Moura ou Vilhena.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook