As velhas raposas e suas conhecidas táticas de ataque

O individuo ficou anos a fio mamando nas flácidas tetas do erário, não fez absolutamente nada para melhorar a vida da população, agora, cinco meses antes das eleições, aparece na mídia vestindo o mandato esfarrapado de bom samaritano.

Valdemir Caldas
Publicada em 11 de maio de 2018 às 09:26

As velhas raposas da política rondoniense estão se agrupando para investirem contra o eleitorado. O individuo ficou anos a fio mamando nas flácidas tetas do erário, não fez absolutamente nada para melhorar a vida da população, agora, cinco meses antes das eleições, aparece na mídia vestindo o mandato esfarrapado de bom samaritano. E o pior é que ainda tem gente que acredita nas promessas messiânicas e nos discursos bombásticos, mas vazios de conteúdo, desses espertalhões.

Essa turma não aprende, mesmo! Acha que todo mundo é otário, mas a maioria da população está acordada, trabalhando, como um obreiro, de pá na mão, num trabalho silencioso, com outros obreiros, realizando uma tarefa coletiva, que redundará na expulsão dos mequetrefes que enxovalham a seara política, nacional e local, com suas indesejáveis presenças, para dar lugar aos mais capacitados e verdadeiramente comprometidos com as causas do povo, especialmente dos mais carentes.

Vamos lá rondonienses. Armas em punho! Vamos mostrar para esse pessoal que não somos um rebanho dócil, capaz de se amoldar aos caprichos e devaneios dos que fazem do mandato um instrumento de barganha à satisfação de interesses menores, que em nada se coadunam com as legítimas aspirações sociais. Até quando vamos ficar presos às amarras do fisiologismo, do clientelismo e da política do é dando que se recebe? Dão ao governo os votos de que ele precisa para fazer passar suas propostas, em troca de sinecuras para acomodarem parentes, aderentes e cabos eleitorais.

Já passou da hora de o povo criar vergonha na cara e quebrar os esquemas obsoletos e os discursos fabricados, estrategicamente escritos para ludibriar a consciência de desavisados. A palavra de ordem hoje é reformular, para melhorar. Chega! Paciência tem limites. E a minha já se esgotou com os falsos profetas. Manter essa gente no poder é oxigenar ainda mais as canalhices de que se têm noticias, quando, na verdade, precisamos higienizar os quadros políticos, separando o joio do trigo. As velhas raposas da política rondonienses estão desesperadas, pois sabem que serão arrancadas do poder no próximo mês de outubro.   

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Josias 11/05/2018

    Ei Waldemir, e os Carvalhos, Aparício/Mariana/Mauricio, q é quem vc é subserviente, vc deve tá falando deles né, kkkkk.... dá nome aos bois, oh tá com Medinho?  E essa opinião sobre a imprensa q foi postada, vc tem algo pra falar???

  • 2
    image
    Eduardo 11/05/2018

    Como poderemos renovar alguma coisa se dependemos dos candidatos que são indicados pelos partidos ? Ou seja, não temos como renovar nada. O máximo que podemos fazer é votar no menos ruim. No menos pior. Se algum bom candidato houvesse que fosse contra a má política, os chefes dos partidos nem permitiriam que ele fosse candidato. Essa obrigatoriedade do candidato estar vinculado a algum partido é absurda. Mesmo os patriarcas das famílias de maus políticos quando não podem provisoriamente concorrer indicam seus filhos ou demais parentes. O coronelismo arruinou a região nordeste. Mas aqui em Rondônia existem alguns clãs difíceis de saírem do poder.... Só mesmo com lava jatos Estaduais e Municipais a coisa vai melhorar. Espero viver para ver.

  • 3
    image
    Telma Rodrigues 11/05/2018

    A generalização costuma ser pouco eficiente. Dentre os políticos de Rondônia, alguns, de fato, encaixam-se na cantilena do escriba. Mas não todos! Temos políticos que honram seu mandato, governam ou legislam com honradez e eficiência. Por isso, jogar todos na vala comum da ineficiência e afirmar que passaram 4 anos mamando nas tetas do erário, sem nada produzir para o Estado, é uma generalização perigosa e inconsequente. Não condiz com o jornalismo sério e isento. Eu jamais diria que os jornalistas de RO sentam a marreta nos políticos, na tentativa se serem contemplados com Cargo Comissionado, para passarem a falar bem... e mamar...Seria injusto com a grande maioria, que honra a categoria.

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook