Follador cobra posição do Governo e TJ para manter suspensão dos consignados

"O funcionalismo está vivendo um tempo de grandes dificuldades com o aumento de despesas e dívidas", disse o deputado

Assessoria
Publicada em 18 de maio de 2020 às 15:52
Follador cobra posição do Governo e TJ para manter suspensão dos consignados

Ao contrário do que se esperava e também contra um entendimento nacional, o Estado de Rondônia, contestando a lei sancionada pelo próprio Executivo, voltou atrás na decisão em favor dos servidores públicos, e já trabalha na expectativa de descontar os valores dos empréstimos consignados já na folha de pagamento do mês junho, segundo denunciou nesta segunda-feira (18) o deputado Adelino Follador (DEM).

Segundo ele, enquanto outros estados e poderes se movimentam em defesa dos servidores, o Estado de Rondônia, na contramão, contesta uma medida, uma lei aprovada e sancionada para defender os servidores em meio à crise sanitária e econômica provocada pela pandemia do coronavírus. Ele disse que estados como Mato Grosso, Paraíba, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro, por exemplo, estão mantendo suspensas a cobrança de todos os empréstimos consignados, como medida de socorro a milhares de servidores públicos endividados.

Adelino Follador disse que está cobrando uma posição do Governo do Estado e do Poder Judiciário, que favoreça o funcionalismo estadual, lembrando que muitos estão passando por grandes necessidades para manter suas famílias, visto que o enfrentamento ao coronavírus (quarentena, home office) suscitou em toda sociedade grandes desafios e dificuldades, com o aumento do consumo de água e energia elétrica, por exemplo, que afeta diretamente os servidores públicos.

Follador disse que nos mesmos termos da lei rondoniense, pelo menos cinco projetos de lei em análise na Câmara dos Deputados suspendem por quatro ou até seis meses os descontos no contracheque referentes a empréstimos consignados e outros descontos. Conforme as propostas, as parcelas suspensas serão acrescidas ao final dos contratos, com o mesmo valor e sem qualquer taxa ou cobrança de juros. “É importante destacar que esta foi a proposta do nosso projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa e sancionado pelo Executivo”, disse observando que, ao seu ver, parece não ter adiantado.

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Aparecido Lucas 19/05/2020

    É Carlson, mas quando foi para alterar os descontos de 11% para 13,5% em beneficio do IPERON, a ALE teve competência para tal efeito não é mesmo, além do mais tem decreto presidencial nesse sentido, acho que vale para todos os estados.

  • 2
    image
    joao jorge 19/05/2020

    deputado o senhor tem contribuido muito, esta e a realidae que estamos vivendo neste momento de pandemia, o que nao entendemos e nosso min isterio publico ser advogado dos banqueiros, nao esperava isso do nosso min publico, outra coisa e que peço ao senhor fazer projeto de lei para que o servidor que estar aguardando aposentadoria em casa nao seja descontado a contridbuiçao do iperon, se iperon esta fallido a culpa nao e do servidor, todas ao gratificaçoes sao retiradas, mas continuamos pagando o iperon. adradeço muito, com consiganado eu fiz o emprestimo renovçao que vem juros em cima de juros com taxas autissimas, na aposentaria ja contribuimos masi de quarenta anos, nao podemos aguardar continuando pagando iperon.

  • 3
    image
    Paulo 18/05/2020

    Não consigo entender qual o interesse do Ministério Público em pedir ao Judiciário para suspender a Lei. Se o pedido tivesse partido ao menos dos bancos. Deputado está cobrando das instituições erradas... 

  • 4
    image
    servidor público 18/05/2020

    OS BANQUEIROS NÃO GOSTAM DE PERDER: FAZ QUESTÃO ATÉ POR CENTAVOS. GANHARAM UMA BOLADA VIA BANCO CENTRAL, SANSIONADA UMA AJUADA AOS BANCOS , EM NOME DA CALAMIDADE PÚBLCIA PELO BOSTONARO E GUEDES , CORRUPTO, POIS É, CERCA DE 1 TRILHÃO E 200 BI O BANCO CENTRAL DESTINOU AOS BANCOS PARA SE EQUILIBRAREM....

  • 5
    image
    Francisco Santana 18/05/2020

    A lei não está cancelando débitos do servidor, pois as parcelas suspensas serão descontadas ao final do contrato. Juros ja estão pagos, falta de bom censo.

  • 6
    image
    Renato Barbosa Belo 18/05/2020

    É isso mesmo Deputado, só Deus sabe o sacrifício que nós funcionários estamos passando, pois existe pessoas da nossa família que trabalha na informalidade e agora estão sem ganhar nada e nós temos que ajudá-los. Quer dizer que os Banqueiros que todo ano tem Bilhões de lucros não podem fazer nenhum sacrifício? É brincadeira!

  • 7
    image
    Renato Barbosa Belo 18/05/2020

    É isso mesmo Deputado, só Deus sabe o sacrifício que nós funcionários estamos passando, pois existe pessoas da nossa família que trabalha na informalidade e agora estão sem ganhar nada e nós temos que ajudá-los. Quer dizer que os Banqueiros que todo ano tem Bilhões de lucros não podem fazer nenhum sacrifício? É brincadeira!

  • 8
    image
    Edgley 18/05/2020

    Deputado, o senhor tem que cobrar mesmo ums atitude em prol do servidor público do governador. Sabemos que foi o sicoob na pessoa do deputado Aécio da TV que acionou o MP.

  • 9
    image
    Marques 18/05/2020

    É meu nobre Deputado Adelino Folador. Parabéns pelo empenho. Mais diz o ditado quando a esmola é de mais o santo desconfia. O povo é igual prato, só leva na cabeça. Mais somos destemidos pioneiros e não desistiremos jamais. Espero que tudo se normalize e chequem num consenso que manter o a suspensão dos consignados. Jesus nos abençoe.

  • 10
    image
    Marcos Britto 18/05/2020

    Estimado Deputado,já conseguiram descontar já na folha se maio,foram muito rápidos,lamentável🤔😬

  • 11
    image
    Bento Arruda 18/05/2020

    É UMA PENA, MAS ALEGRIA DE POBRE DURA POUCO. SERIA APENAS TRES MESES QUE DARIA PARA DEIXAR EM DIA MUITAS CONTAS. A JUSTIÇA TÁ CERTA EM PREVILEGIAR A POBRES E COITADAS DAS COOPERATIVAS, EM DETRIMENTO DOS MILIONARIOS SERVIDORES DO GOVERNO DO ESTADO.

  • 12
    image
    CARLSON LIMA 18/05/2020

    Deputado vamos deixar de conversa fiada porque a ALE não tem competências para tal assunto. Esse projeto só terá respaldo jurídico se solicitado por deputados federais ou senadores caso contrário é bla bla bla bla bla bla.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook