Justiça manda apreender 2.920 cabeças de gado para quitar dívida de um dos maiores pecuaristas de Rondônia

Trata-se de um processo de  execução, sendo que em razão do reconhecimento de fraude que teria sido praticada por Roberto Demário Caldas, determinou-se a Guilherme Caldas, filho deste, que informasse ao juízo o local onde se encontrariam  as reses.

Tudorondonia
Publicada em 27 de setembro de 2017 às 10:48
Justiça manda apreender 2.920 cabeças de gado para quitar dívida de um dos maiores pecuaristas de Rondônia

Foto meramente ilustrativa

A Justiça mandou apreender 2.920 cabeças de gado dos pecuaristas Roberto Demário Caldas e seu filho, Guilherme Caldas, para pagar uma dívida com o Banco do Brasil.

Trata-se de um processo de  execução, sendo que em razão do reconhecimento de fraude que teria sido praticada por Roberto Demário Caldas, determinou-se a Guilherme Caldas, filho deste, que informasse ao juízo o local onde se encontrariam  as reses.

Em razão da não apresentação dos bois, fora deferida a busca e apreensão de 2.920 cabeças de gado e a alienação por iniciativa particular.

Guilherme Caldas foi intimado, por seu advogado, para, em cinco dias, informar ao Juízo o local onde se encontram as 2.920 reses de gado bovino, em idade e peso médio para Também comunica que não houve a apresentação do gado, razão pela qual pugna a expedição de mandado de busca e apreensão, bem como autorização para a venda antecipada dos animais.

O Banco do Brasil informou que  Guilherme Caldas não informou a localização do gado, por isso foram  deferidas, pela justiça,  a busca e apreensão de 2.920 cabeças de gado bovino (bois), em idade e peso médio para venda (abate em frigorífico), cadastrados em nome de Guilherme Caldas ou Roberto Demário Caldas  na Idaron.

 A ordem poderá ser cumprida em qualquer propriedade rural indicada na Idaron como local de apassentamento do gado, em nome de qualquer um deles (Guilherme ou Roberto) ou mesmo de terceiro.

O juízo deferiu também a alienação por iniciativa particular do gado  pelo Banco .

Considerando a natureza específica do mercado bovino e as limitações e custos do transporte, a alienação poderá ser feita a qualquer frigorífico da região em que o gado for apreendido, devendo ser observado o preço médio da arroba praticado nos frigoríficos mais próximos. Os valores arrecadados com a venda deverão ser depositados à disposição do  Juízo.

Os Caldas questionam a decisão no Tribunal de Justiça de Rondônia.

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Juliano 27/09/2017

    Tinha q fazer isto e com os pokiticos q ja estao presos tomar tudo que eles tem nao de pecuarista mais sim dos corrupitos ladroes justica brasileira e muito injusta favorece so aos bandidos ladroes

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook