Projeto prevê que escolas públicas adotem medidas contra erotização precoce

“Muitas mensagens publicitárias e atitudes de adultos induzem as crianças a se exibirem e se comportarem de forma precocemente erotizada, ou seja, com apelos sexuais que são normais entre jovens e/ou adultos, mas não naturais da infância

Luiz Gustavo Xavier - Câmara Notícias
Publicada em 11 de janeiro de 2019 às 15:11
Projeto prevê que escolas públicas adotem medidas contra erotização precoce

Para a deputada Mariana Carvalho, se as crianças antecipam certas vivências, acabam se expondo a situações com as quais não sabem lidar

O Projeto de Lei 10583/18 inclui medidas de prevenção à erotização precoce nas escolas públicas do Brasil. O texto define erotização precoce como a prática de exposição prematura de conteúdo, estímulos e comportamentos a indivíduos que ainda não têm maturidade suficiente para compreensão e elaboração de tais ações.

Pela proposta, da deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), entre os objetivos das medidas estão:
- prevenir e combater a prática da erotização infantil (sexualização precoce) no comportamento e aprendizado social das crianças; 
- capacitar docentes e equipe pedagógica para a implementação das ações de discussão, prevenção, orientação e solução do problema;
- orientar envolvidos em situação de erotização precoce, visando à recuperação da atuação comportamental, o pleno desenvolvimento e a convivência harmônica no ambiente social;
- envolver a família no processo de construção da cultura do combate à erotização infantil.

Carvalho aponta que é necessário definir o que é erotização precoce, pois não se trata de isolar a criança de sua sexualidade, mas sim evitar que fatores externos influenciem negativamente a forma como ela enxerga sua sexualidade, suas atitudes sexuais, valores, assim como seus relacionamentos e até mesmo sua capacidade de entender o amor e o afeto.

“Muitas mensagens publicitárias e atitudes de adultos induzem as crianças a se exibirem e se comportarem de forma precocemente erotizada, ou seja, com apelos sexuais que são normais entre jovens e/ou adultos, mas não naturais da infância. É necessário respeitar essas variações normais, pois se as crianças antecipam certas vivências elas acabam se tornando mais vulneráveis, pois se expõem a situações com as quais não sabem lidar”, apontou a parlamentar.

Tramitação

O projeto, que tramita conclusivamente, será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Educação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Otniel 13/01/2019

    Muito bom esse projeto nossas crianças precisam de proteção nas escolas o PT estava matando as crianças já nos primeiros passos com Ideologia de gênero.graças a Deus vejo isso mudado nosso filhos estão salvos.

  • 2
    image
    Izabel Teixeira Poeta 12/01/2019

    No meu tempo não tinha erotização nas escolas, por isso segurei o cabaço até aos treze anos. Com a lei, nossas meninas e meninos vão esperar até aos treze também. Parabéns! Lógico que é uma ironia verdadeira. Agora a pergunta que não quer calar: O pedófilo vai respeitar? Ou temos que redobrar os cuidados, para um pedófilo, quanto mais inocente, melhor.

  • 3
    image
    Eli Bezerra 12/01/2019

    Pow, quer dizer q a erotizaçao das crianças acontece nas escolas? Engraçado, la as crianças nao assistem shows de funk, nao usam micro shorts, mini saias, nas assistem filmes pornô, novelas, etc. Acho que a parlamentar deveria percorrer ss escolas diariamente. Ah, seguindo essa suposiçao, entao os politicos cintriburm para que haja naus ladrões no país, pq eles sao especialistas em falcatruas ne?

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook