Vereador exibe áudios e denuncia que, ao invés de reduzir comissionados em 40%, prefeito, aumentou em 70% as portarias

Pagani expôs números e disse que prefeito não cumpriu promessas de campanha

Rogério Perucci/Folha do Sul
Publicada em 06 de julho de 2021 às 14:30
Vereador exibe áudios e denuncia que, ao invés de reduzir comissionados em 40%, prefeito, aumentou em 70% as portarias

Como tem sido comum nas sessões da Câmara Municipal de Vilhena, o vereador Dhonatan Pagani (PSDB) foi o último a fazer uso da palavra e disparou críticas ao prefeito Eduardo Japonês (PV) pelo aumento do número de cargos comissionados e, por consequência, dos gastos com a folha salarial. O vereador, inclusive, exibiu áudios do prefeito em entrevistas durante a campanha eleitoral. Em um deles, o então candidato Eduardo Japonês prometia reduzir em 40% o número de cargos comissionados. Em outro áudio, dizia que alguns cargos comissionados não precisariam está lá.
 
Após a exibição dos áudios, Pagani apresentou uma série de dados. “Vamos às informações porque contra fatos não há argumentos. O prefeito prometeu que dos 400 cargos, iria reduzir 40%. Fez ao contrário, aumentou 70%. Foi de 400 para 675 cargos comissionados”, afirmou o parlamentar, que leu a evolução dos cargos mês a mês: “Eram 565 em janeiro, 458 em fevereiro, 620 em março, 637 em abril, 664 em maio, e 675 em julho. O Recorde do ano até o momento. Mais de 110 cargos em menos de seis meses”, apontou.
 
Da mesma maneira, Pagani apresentou a evolução dos gastos da prefeitura com pagamento de comissionados. Segundo ele, em janeiro de 2021 o valor gasto com salários de servidores comissionados foi de R$ 908 mil. Em junho foi R$ 1.159 milhão. “Anualmente foram gastos em 2019 R$ 11.009 mi; em 2020 subiu para R$ 12.242 mihões; e em 2021, até junho, já foram gastos R$ 6.336 milhões, e a previsão é de R$ 13.292 milhões. E aí não se pode pagar a gratificação ao ACS, não pode se pagar a frente Covid pra o enfermeiro do hospital que ganha pouco; para a cozinheira. Não temos dinheiro para contratar os concursados”, ponderou.
 
Usando de ironia, o vereador questionou: “e como a gente resolve? Diminuindo 40%? Não! Aumentando em 70% o número de cargos comissionados”.
 
Para o vereador, a prefeitura busca nas suas ações de comunicação mostrar que tudo está bonito e funcionando. “Não estou dizendo que não tão fazendo. Tão fazendo obras de chão preto, asfalto no Embratel. Só que eu também tenho que mostrar o que não estão fazendo, porque esse é o meu papel. Porque se eu não fiscalizar, não cobrar, eu não sirvo pra nada. Esse mandato é resultado, e também é cobrança. E todas as vezes que a prefeitura vai lá e faz o floreio, que está resolvendo, eu fico feliz, porque é uma resposta as nossas fiscalizações”, disse
 
Pagani disse ainda que se for necessário entrará com uma representação no Tribunal de Contas pedindo que sejam avaliados os gastos da Prefeitura de Vilhena com servidores comissionados. “Porque pra chamar servidor público que passou no concurso, pra pagar a frente Covid, pra aumentar os salários de algumas pessoas não tem dinheiro”, apontou o vereador antes de concluir: “e 2022 tá chegando, nosso prefeito é candidato a deputado federal, coincidentemente o irmão do deputado tá lá no gabinete dele. Façam os senhores as conclusões”, findou.

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie seu Comentário

 
Winz

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

O que segura é a Ormetà

O que segura é a Ormetà

"Em perfeito funcionamento, a omertà garante a teia de cumplicidade. Nas adaptações milicianas dos pactos de sangue, bem distantes da Cosa Nostra siciliana, o que prevalece como instrumento de coesão dos bandos não é o código de honra, mas o medo", escreve Carol Proner

Parlamentarismo: a boia da direita

Parlamentarismo: a boia da direita

Mais uma vez, a direita apresenta o parlamentarismo como fórmula para impedir que um presidente de esquerda eleito pelo povo exerça plenamente seu mandato - artigo de Emir Sader