Viemos mesmo da selva?

Mas pensando bem, se nós brasileiros não saímos da selva, por que na maioria das vezes nos comportamos como selvagens?

Professor Nazareno*
Publicada em 10 de junho de 2021 às 15:14
Viemos mesmo da selva?

O atual presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse numa conferência recentemente que os brasileiros vieram da selva, os mexicanos vieram dos índios e eles, os argentinos, vieram de barcos da Europa. Segundo a declaração xenófoba de Fernández, os “hermanos” são uma espécie de gente superior, ou seja, são europeizados. Uma tolice falar estas asneiras, pois tanto mexicanos como brasileiros e até mesmo os argentinos são, no geral, uma mistura entre povos de todas as partes do mundo. Os livros de Antropologia ensinam que o Brasil, por exemplo, é uma mistura de negros escravizados, de índios autóctones e brancos de origem portuguesa. O problema é que a declaração beira o preconceito puro e simples. Mas pensando bem, se nós brasileiros não saímos da selva, por que na maioria das vezes nos comportamos como selvagens?

Selvageria pura: a sociedade brasileira é uma das mais ricas do mundo, mas a qualidade de vida por aqui é sofrível. A fome, a miséria, a falta de uma boa educação, a violência social e a exploração de seres humanos sempre fizeram parte da nossa cruel realidade. Como teria dito Charles de Gaulle, “o Brasil não é um país sério”. Realmente isso aqui é um “cu do mundo” desprezível sem eira nem beira. E nem civilidade. Comparados a nós “civilizados”, muitos povos da selva são superiores em vários aspectos. Por isso, o presidente argentino tem certa razão. Duvido que um índio escolha seus representantes como nós o fazemos. Um “selvagem raiz” jamais teria votado em Jair Bolsonaro, um cara sem escrúpulos, acusado de genocídio e totalmente contrário às aspirações dos povos indígenas. E nunca chamaria um “Zé Mané” como ele de “Mito”. 

Na maioria dos casos, o chefe da tribo é o cacique. Um cidadão responsável, de caráter, de rara inteligência, amado e idolatrado pela maioria dos índios. O pajé também é muito respeitado nas aldeias, pois busca a cura das doenças. Já Bolsonaro sequer comprou vacinas na hora certa e assim a morte por Covid-19 só aumentou entre os brasileiros. É muito pouco provável que um chefe indígena, um silvícola que saiu da selva, desdenhe ou faça galhofa quando morre alguém na tribo. Lá, o ritual de morte é sério e os “selvagens” se entristecem e choram muito com cada óbito. E o Bolsonaro, desumano e insensível, não só faz pouco caso com quase meio milhão de mortos pela pandemia do Coronavírus como também até chamou publicamente seus compatriotas que perderam parentes de maricas e que parassem com tantas “frescuras” e “mi mi mi”. 

Desde quando um índio raiz votaria em representantes canalhas, patifes, hipócritas, desonestos e ladrões para compor muitas das Assembleias Legislativas, um Congresso Nacional ou as Câmaras de Vereadores como se faz de quatro em quatro anos no Brasil? O único erro do argentino foi tentar comparar pessoas tão idôneas como os índios com vira-latas como os brasileiros. Se nós saímos mesmo do meio da selva, então de onde terão saído os rondonienses? Rondônia talvez seja uma mistura esdrúxula e bizarra de tudo que de pior existe no Brasil. Esta pode ser uma verdade que muitos insistem em não querer ver. Além de ter votado em massa no “Mito”, aqui se devasta o meio ambiente como ninguém e ainda se entrega “de mão beijada” todas as riquezas do Estado a quem é de fora. Em Rondônia e em Porto Velho, a sua podre e imunda capital, quase só se elegem candidatos de fora. Fernández não conhece “Rondônia”. Ainda bem! 

*Foi Professor em Porto Velho.

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Chico Bento 11/06/2021

    Porque eu sou, SINCERO. Até que o tal Fernandez foi gentil, pois na selva só há coisas boas e em perfeito equilíbrio. Acho que a maioria mesmo saiu foi do esgoto. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook