UTIs: 95 por cento ocupadas no estado e 100 por cento na capital

Como vai demorar muito para que grande parte da população seja vacinada, é importante ter toda a proteção possível, porque senão muita gente vai morrer nas portas dos hospitais, por falta de leitos comuns e de UTIs

Sérgio Pires
Publicada em 23 de janeiro de 2021 às 19:28
UTIs: 95 por cento ocupadas no estado e 100 por cento na capital

Enquanto espera mais vacinas, o secretário de saúde do Estado, Fernando Máximo, fez novo apelo, neste final de semana, no sentido de que o rondoniense triplique os cuidados, mantendo-se longe de aglomerações, usando máscara e álcool gel, além de todos os cuidados necessários, para que se evitem novas hospitalizações e o colapso total do sistema de saúde. Nesta última semana, os números assustaram, a tal ponto de que, na última sexta, ser registrado o maior número de contaminados em 24 horas, desde que se iniciou a pandemia: mais de 1.430 casos. Já no sábado, o boletim da Sesau apontava para nada menos do que 543 internados e 12 mortes em todas as cidades de Rondônia, incluindo-se aí, os dois óbitos em Porto Velho. Com isso, já batemos a triste estatística de 2.097 mortes desde maio passado, das quais 1.022 foram apenas na Capital. Temos atingido ainda, os maiores números de internações desde que a doença nos atacou com violência. Como vai demorar muito para que grande parte da população seja vacinada, é importante ter toda a proteção possível, porque senão muita gente vai morrer nas portas dos hospitais, por falta de leitos comuns e de UTIs. O prefeito Hildon Chaves fala até em risco de “tragédia humanitária”, na Capital.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook