Sindicato denuncia ‘maquiagem’ de uma suposta superintendência do Banco do Brasil em Rondônia

Ou seja, a superintendência estadual foi extinta, mantendo-se apenas a regional que já havia. Na prática é apenas um escritório regional subordinado à Manaus

Assessoria SEEB-/RO
Publicada em 30 de agosto de 2019 às 12:03
Sindicato denuncia ‘maquiagem’ de uma suposta superintendência do Banco do Brasil em Rondônia

No Comunicado Interno divulgado na segunda quinzena de julho último, no tópico intitulado "Adequação de dependência", o Banco do Brasil informa sobre "Superintendências (Redimensionamento e criação de Novas)" onde prevê claramente o fechamento de superintendências em vários estados, incluindo Rondônia. No documento interno, anexo, consta que será criada a "Super Varejo Norte I (sede em Manaus) - unifica a Super Norte III (AC e RO) e a Super Norte I (AM e RR)".

Portanto, este Comunicado desmente as versões recentes do Banco do Brasil, divulgadas nos últimos dias, de que a Superintendência não teria sido extinta. O Banco fez todas as mudanças sem alarde e não comunicou nada às autoridades do Estado. Entretanto, após denúncia do Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (SEEB-RO), houve intensa cobrança dos deputados estaduais, do governo do Estado e, principalmente, da bancada federal, tendo o Banco divulgado às pressas a versão de que não teria havido qualquer mudança.

Para demonstrar que a versão do Banco sobre a suposta permanência da Superintendência não corresponde aos fatos, o SEEB-RO informa que a equipe da extinta superintendência tinha um superintendente estadual e dois gerentes regionais, um para Rondônia e outro para o Acre. Com a mudança foi extinta a superintendência estadual de Rondônia, que abrangia Rondônia e Acre, ficando apenas a regional, subordinada a Manaus, portanto,  com status muito inferior à situação anterior.

Para se ter uma idéia da dimensão da mudança houve uma redução de 20 funcionários para apenas 8 e o antigo superintendente estadual foi transferido, “assumindo” em seu lugar o superintendente  comercial, que já existia e ficava em Ji - Paraná, só que agora subordinado a Manaus. Ou seja, a superintendência estadual foi extinta, mantendo-se apenas a regional que já havia. Na prática é apenas um escritório regional subordinado à Manaus.

Recentemente o antigo superintendente Gustavo Arruda, que já foi transferido, disse ao governador Marcos Rocha que ‘‘O Banco fez uma remodelagem interna e ratificamos que a superintendência continua no mesmo lugar e que o Banco do Brasil continua sendo um grande parceiro do Estado’’. Entretanto, para o SEEB-RO tal remodelagem é apenas uma maquiagem e a estrutura que sobrou após reestruturação é muito menor, com menos poder e está subordinada à Superintendência de Manaus, conforme Comunicado interno do próprio banco.

Para o Sindicato, o Banco do Brasil, em uma atitude desrespeitosa com a população de Rondônia, não informou previamente qualquer mudança e após a denúncia da extinção da superintendência estadual tenta ludibriar as autoridades do Estado, deixando a placa de superintendência no mesmo local, mas levando embora mais da metade da equipe, incluindo o próprio superintendente.

“O prejuízo para o desenvolvimento do Estado, que tem a 5ª maior carteira de crédito da agricultura familiar do país, é evidente, pois a superintendência estadual tinha muito mais autonomia do que a superintendência regional. Agora o superintendente estadual é de Manaus e será responsável por quatro estados, Rondônia, Acre, Roraima e o Amazonas, o que dificultará novos investimentos em Rondônia”, ressalta José Pinheiro, presidente do SEEB-RO.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook